sex 07 out 2022
HomeCidade"As pessoas vão voltar ao teatro mais felizes", prevê diretora do Festival...

“As pessoas vão voltar ao teatro mais felizes”, prevê diretora do Festival de Curitiba

Retorno presencial marca 30 anos do evento, criado em 1992 por cinco sócios curitibanos. Em 2022, o festival conta com mais de 40 apresentações

Quentin Tarantino era um diretor iniciante quando cinco pessoas decidiram, em 1992, criar o Festival de Teatro de Curitiba. Passadas três décadas, o evento confirma importante papel na cultura brasileira.

Tudo começou com o final do espetáculo New York, dirigido por Edson Bueno. Os jovens Carlos Eduardo Bittencourt e Leandro Knoplholz, após ficarem maravilhados com a peça, decidiram criar o Festival de Curitiba para fomentar o teatro na capital paranaense. Na época, mesmo com uma boa estrutura para receber espetáculos, a cidade possuía uma oferta muito restrita de apresentações. Em junho de 1992, Carlos, Leandro e mais três sócios realizaram a primeira edição do evento, com a primeira peça sendo encenada na Ópera de Arame. Daí em diante, o evento evoluiu a ponto de se tornar o maior festival de arte cênicas da América Latina.

A última edição presencial do evento ocorreu em 2019. Dentre as diversas peças que marcaram a edição, a homenagem a Elza Soares obteve destaque. Elza demonstra as múltiplas facetas da cantora e a sua vida marcada por grandes reviravoltas. Outra apresentação marcante da edição foi a peça Psicose 4h48, que adotou uma pegada mais psicológica. Ao acompanhar a história de uma jovem deprimida e suicida, a história aborda diversas questões médicas e sociais.

Psicose 4h48 é um monólogo escrito pela britânica Sarah Kane sobre suicídio. Na fotografia, a atriz Rosana Stavis
interpreta a personagem principal da trama. Foto: Teatro Elenize Dezgeniski/ Divulgação

Agora, a 30ª edição terá a participação do cantor Emicida, com o show AmarElo, baseado no álbum de mesmo nome lançado em 2019 pelo músico. A obra também inspirou um documentário, que foi lançado em 2020 na Netflix (trailer abaixo). Com músicas que abordam questões raciais, sociais e sentimentais, o AmarElo é considerado um grande marco para a cultura brasileira.

Confira mais sobre as atrações do evento. Você pode ainda baixar o Guia Oficial do Festival de Curitiba.

Readequação à pandemia 

Durante o isolamento social, a organização do Festival pensou em estratégias e formatos para se adaptar à incerteza que o vírus trouxe, como descreve a diretora evento, Fabíula Bona Passini. Com a vacinação e a melhora do cenário, a 30ª edição vai ser realizada quase como os eventos anteriores. 

O Festival segue os protocolos públicos de álcool em gel, distanciamento, uso de máscaras, além da testagem de pessoas da equipe, em caso de sintomas. “Se acontecer de novo [uma piora da pandemia], vamos estar mais preparados para saber como reagir”, diz a diretora. 

Uma das mudanças provocadas pela pandemia aconteceu na mostra Fringe, criada na sétima edição do Festival. A atração se inspirou no fringe escocês de 1947 e abriu as portas do Festival de Curitiba para outras companhias do Brasil e do mundo. Até 2019, costumava ser uma mostra paralela, que movimentava por ano cerca de cinco mil artistas. As peças eram espalhadas pela cidade e região metropolitana, gratuitas ou com preços acessíveis. 

Em 2019, o Fringe contou até com apresentações de patinação no gelo. Foto: Festival de Curitiba/Divulgação.

Em 2020, o projeto do Festival foi atualizado para um evento de rua, pensado para setembro daquele ano. Como o Fringe reúne muitos artistas de fora, a organização considerou o risco e o transformou em uma plataforma digital para conectar trabalhadores das artes cênicas, que será lançada ainda na próxima semana. É uma rede social do teatro. 

Para a edição deste ano, foi criado o Festival na Rua, como forma de garantir apresentações também em espaços abertos. “O Festival na Rua acaba suprindo de alguma forma o que o Fringe trazia”, diz a coordenadora da mostra, Carol Scabora. Nas outras edições, era o Fringe que ocupava a maior parte dos espaços públicos ao ar livre. Ela também espera que, nos próximos anos, o Festival de Curitiba tenha programação na rua e em teatros na mesma proporção. 

A mostra dispõe de 60 companhias locais, 11 espaços e 130 apresentações, reunindo mais de 400 artistas, e tem o objetivo de democratizar a cultura. Não há cobrança de ingressos e o público fica acomodado de forma que seja acessível a todas as classes sociais. 

Carol relata que a relação do Festival com as pessoas em situação de rua melhorou. Ela conta que em edições anteriores havia embates com essa população, quando o Fringe se instalava em um espaço público. Mas entendeu que é necessário abrir o teatro para aqueles que ocupam a rua.  

“Nos dois primeiros dias do evento, há mais ou menos três ou quatro edições, a gente vai até o Centro POP [Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua] no horário do almoço ou do café, leva um espetáculo lá pra dentro e o guia do evento, e explica como localizar os espetáculos de rua. O teatro também é pra eles”, relata. 

O Festival busca a inclusão também na equipe, que integra pessoas surdas e da comunidade trans, e na programação, que apresenta peças com recursos de acessibilidade. 

Retorno presencial do teatro  

“Eu tenho a sensação de que as pessoas vão voltar mais felizes”, conta Fabíula sobre o retorno do Festival. A diretora espera que o evento contribua para que as pessoas saiam da pandemia melhores. “A arte é muito sensível, o público é mais receptivo nesse sentido”, diz. 

Embora no início da crise sanitária existisse o medo de que atividades como o teatro nunca voltassem da mesma forma, para Fabíula, a percepção dos cidadãos não mudou após o isolamento. “Era um dos nossos receios. Mas percebemos na bilheteria que o público também está ansioso para voltar”.

Dois anos depois, o público está ansioso para retornar aos teatros. Foto: Dhani Accioly Borges / Divulgação

Para Carol Scabora, o teatro é a arte do encontro, da reunião entre plateia e artista pelas sensações. “Quando você está na primeira fila, às vezes a saliva do ator te alcança. Essa emoção, o suor escorrendo com a luz forte, a internet não pode passar”, afirma. De acordo com a coordenadora, no ambiente digital a nossa atenção é perturbada de várias maneiras: é diferente estar na frente da obra no agora, ao vivo.  

De acordo com Fabíula, a pandemia mostrou que um artista consegue se reinventar e que a classe artística é muito desvalorizada pelo poder público, mas também deixou claro como as artes são fundamentais para a vida.

Reportagem de Murilo Bernardon e Roger Souza Castro.

Redaçãohttps://jornalcomunicacao.ufpr.br/
Jornal-laboratório do curso de Jornalismo da UFPR.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Redaçãohttps://jornalcomunicacao.ufpr.br/
Jornal-laboratório do curso de Jornalismo da UFPR.