sáb 18 maio 2024
HomeComportamentoBanalização da pandemia gera preocupação para 2022

Banalização da pandemia gera preocupação para 2022

Atitudes quanto à volta de atividades presenciais divide população entre otimismo e receio

Com os avanços na vacinação no país, a pandemia vem sendo tratada de forma cada vez mais trivial. Desde o início da vacinação no Brasil, medidas restritivas vêm sendo flexibilizadas a nível nacional. Atualmente, a taxa de vacinação está alcançando o marco de 130 milhões de pessoas imunizadas com as duas doses de uma das vacinas que estão sendo distribuídas no país, o que representa cerca de 60% da população.

Para muitos, a retomada das atividades presenciais é vista como motivo de otimismo, principalmente porque pode representar o início de melhoras na economia do país. Mas isso não significa que não haja preocupações a respeito.

Luciano Moreira Filho é estudante de Farmácia na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e realiza exames PCR-RT em seu estágio – o que significa que lida com possíveis casos de covid-19 diariamente. A natureza do trabalho torna necessário o uso de máscara, avental, óculos de proteção e face shield, porém, mesmo assim, Luciano presencia descaso às medidas de proteção no ambiente de trabalho.

“Uma das funcionárias levou roupas para vender para as colegas no trabalho e colocou todas as mercadorias em uma mesa onde colocamos itens possivelmente contaminados. Quando falamos para ela e para as colegas que não deveria fazer aquilo, a resposta foi: ‘Ah, mas nós já tomamos a vacina'”, relata.

Segundo a infectologista Raquel Stucchi, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), as vacinas não impedem a contaminação e transmissão da covid-19. Os imunizantes apenas diminuem a probabilidade de ocorrerem casos graves e óbitos dentre os vacinados.

Especialistas afirmam que, para que o país atinja um nível aceitável de imunidade contra a covid-19, é preciso que ao menos 70% da população esteja vacinada. Diante disso, a retomada das atividades presenciais em instituições de ensino e outros estabelecimentos pode ser considerada uma atitude arriscada, principalmente diante do surgimento da variante Ômicron na África do Sul e a quarta onda do vírus atingindo a Europa.

Nicole Wolinger é estudante de Relações Internacionais na Universidade Positivo e já tem informações de que seu estágio será de forma presencial ou híbrida em 2022. Para ela, é necessário ter paciência para fazer uma retomada segura, e os protocolos devem ser mantidos até as contagens de casos estarem zeradas por pelo menos duas semanas.

“Temos como exemplo a virada de ano de 2020 para 2021”, aponta. “Milhares de pessoas acabaram quebrando os protocolos de segurança só para comemorar o fim de ano sem ter tomado a primeira dose [da vacina]”.

“Tenho medo de que as pessoas acreditem que a pandemia realmente acabou; que a segunda e terceira doses são ‘armas’ para matar o vírus, sendo que estão mais para um colete à prova de balas”

Nicole Wolinger, estudante.

Nicole afirma que é possível fazer uma retomada segura às atividades presenciais em 2022, mas está preocupada porque são necessários seriedade e cuidado para que isso aconteça. Luciano está otimista quanto à retomada, contudo concorda que há preocupação quanto ao funcionamento de locais como o Restaurante Universitário (RU) quando as aulas da UFPR voltarem a ser presenciais.

Algumas das principais preocupações de especialistas estão na falta de cuidados que as pessoas já vacinadas apresentam. De acordo com o infectologista Edson Abdala, a primeira dose de um imunizante pode oferecer proteção parcial, porém a proteção só se torna completamente eficaz 14 dias após a aplicação da segunda dose da vacina e, mesmo com ambas as doses, ainda existe o risco de contaminação.

Quaisquer novas variantes que podem surgir também são um risco para quem já foi imunizado, pois o vírus eventualmente pode criar resistência às vacinas existentes. Por isso, especialistas reiteram que, após tomar as duas doses da vacina e até mesmo a dose de reforço, ainda é importante continuar a fazer uso de máscaras, manter o distanciamento e higienizar as mãos.

Stephanie da Silva Pereira
Estudante de Jornalismo da Universidade Federal do Paraná.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Stephanie da Silva Pereira
Estudante de Jornalismo da Universidade Federal do Paraná.
Pular para o conteúdo