seg 15 abr 2024
HomeCidadeCuritiba recebe festival de filmes que celebra cinema negro

Curitiba recebe festival de filmes que celebra cinema negro

Evento ocorreu na capital paranaense entre os dias 12 e 18 de outubro

Após um hiato de três anos, o Griot – Festival de Cinema Negro Contemporâneo retornou para sua quarta edição que ocorreu na cidade de Curitiba entre os dia 12 e 18 de outubro. Contando com exibições de curtas e longas nacionais e internacionais, palestras e oficinas de roteiro, as atividades da amostragem foram realizadas nos espaços do Cine Passeio, Cinemateca e Paço da Liberdade.

O filme que abriu a quarta edição do festival foi Marte Um, longa de 2022 escrito e dirigido pelo cineasta mineiro Gabriel Martins que traz como enredo o dia a dia de uma família negra da periferia onde o filho mais novo, Deivid, sonha em se tornar astrofísico e viajar para Marte. A programação também contou com as mostras Entremares – com filmes sobre a diáspora – Foco Nigéria e até mesmo uma seleção de filmes dedicados ao público infantil com a Mostrinha Griot.

A Cinemateca contou com oficinas mediadas pela documentarista, pesquisadora e curadora do festival, Lilian Solá Santiago, pela diretora, atriz, dubladora e apresentadora, Rejane Faria e com a diretora de arte do Griot, Bea Gerolin. Dentre as temáticas abordadas nas oficinas, estavam a produção de roteiro para documentário, atuação, conceitos de direção de arte e cenários, entre outras.

O festival ainda contou com a Mostra Competitiva de Curtas Brasileiros, com um prêmio de R$10 mil em serviços de pós-produção para o vencedor. A premiação aconteceu no dia 18 com o curta Remendo, dirigido por Roger Ghil, levando os prêmios de melhor filme, melhor montagem e melhor som. Vale destacar também os curtas Ramal, de Higor Gomes, O Ovo, de Rayane Teles e A Velhice Ilumina o Vento, de Juliana Segóvia, todos vencedores em demais categorias.

Pôster de Remendo, curta metragem vencedor da quarta edição do Griot. (FOTO: Reprodução)

A edição mais recente do Griot traz como tema central o mote “Tempo de Jejum”, almejando celebrar, fertilizar e desenvolver o imaginário por meio do Cinema Negro. O próprio nome do festival é uma homenagem à cultura negra, mais especificamente à figura do griô. Griôs eram os responsáveis por preservar e transmitir de forma oral os conhecimentos, os saberes e as histórias de uma tribo,  através de cantigas, poemas e contação de histórias. E o festival é exatamente sobre isso. Sobre os contadores de histórias, os griôs modernos, usando do poder e da imaginação da Sétima Arte para preservar e celebrar a história e a cultura negra para as novas gerações.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo