qua 05 out 2022
HomeDestaquesLivro "Ibiúna, anteontem" relembra prisão de estudantes de Curitiba na ditadura

Livro “Ibiúna, anteontem” relembra prisão de estudantes de Curitiba na ditadura

Livro-reportagem narra a história de cinco universitárias de Curitiba que foram presas no Congresso da União Nacional dos Estudantes, em 1968, em Ibiúna

O dia 31 de março de 1964 foi marcado pelo golpe militar que depôs o então presidente João Goulart e instaurou a o período de Ditadura Militar no país. Quatro anos depois, em dezembro de 1968, o Ato Institucional 5 (AI-5) inaugurou o período mais sombrio da ditadura, que fechou o Congresso Nacional e assembleias legislativas dos estados, instituiu a censura prévia, permitiu a cassação de mandatos de políticos e a retirada de direitos políticos de qualquer cidadão.

Dois meses antes, em outubro, aconteceu o Congresso da União Nacional dos Estudantes (Une) em Ibiúna, no interior de São Paulo. O evento reuniu estudantes universitários de todo o país com o objetivo de eleger o novo presidente da Une de forma clandestina, já que a ditadura havia proibido a entidade de reunir os representantes.

Cinco estudantes universitárias de Curitiba, estudantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), estiveram no Congresso de Ibiúna. Quando o aparato repressor da ditadura soube do evento e cercou o terreno onde ele acontecia, elas e mais cerca de 1,2 mil estudantes foram presos e ficaram quatro dias no presídio de Tiradentes.

O livro-reportagem “Ibiúna, anteontem” (2016), da jornalista Júlia Ledur, conta a história dessas cinco mulheres, a partir da volta de Ibiúna para Curitiba em um ônibus fretado pelo então governador do Paraná, Paulo Pimentel, e tudo o que aconteceu politicamente com as universitárias a partir deste episódio.

O material foi o produto do Trabalho de Conclusão de Curso em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) da jornalista. Em 2017, Ibiúna, anteontem conquistou o primeiro lugar na categoria livro-reportagem no 21º Prêmio Sangue Novo no Jornalismo Paranaense. É possível conferir o livro no link abaixo.

NOTÍCIAS RELACIONADAS