qui 21 out 2021
HomeDestaquesMarcha da Família com Deus pela Liberdade volta para as ruas do...

Marcha da Família com Deus pela Liberdade volta para as ruas do Brasil

Em 19 de março de 1964 multidão se reúne em frente a Catedral da Sé, em São Paulo, durante a Marcha da Família com Deus pela Liberdade
Foto: Reprodução / http://www.feedbackmag.com.br/

Desfazer o congresso e o senado, estabelecer uma reforma política. Esses são alguns dos pedidos da Marcha da Família, com Deus Pela Liberdade, que acontece neste sábado (22), a partir das 15 horas, em várias capitais brasileiras. Curitiba participa do movimento, com ponto de partida na Boca Maldita, no centro da cidade.

Voltando a 1964

A intenção é reavivar as manifestações, contra a chamada ameaça comunista que supostamente precedeu o Golpe Militar de 1964. Na época, a Marcha desejava afastar o então presidente João Goulart do cargo, pois os integrantes acreditavam que as ideias do governante podiam levar o país a um regime comunista.

Cinquenta anos depois, a proposta é pedir a intervenção militar, conforme os artigos 142 e 143 da Constituição Federal. “Queremos colocar ordem e justiça novamente neste país. Precisamos fazer uma nova eleição constitucional, uma reforma política, administrativa e tributária trazendo um legislativo que realmente represente o povo”, explica Marcos Antonio Tozatto, um dos organizadores da ação na capital paranaense.

O manifestante frisa que a ideia também é abrir os olhos da população a respeito dos programas de governo, que, segundo ele, maquiam a real situação do Brasil. “Hoje, para o governo, quem ganha de 290 a 1.200 reais é considerado classe média. Quem ganha Bolsa Família e está recebendo salário desemprego é considerado empregado pelo governo. Eu não entendo como as pessoas não sabem fazer a conta: se está aumentando o programa social a cada ano como está caindo o desemprego? Se o país estivesse às mil maravilhas, por que essa onda de violência?”, questiona.

De acordo com Tozatto, a inspiração para a Marcha também vem do espírito da Revolução Constitucionalista de 1932, que ocorreu em São Paulo. Na época, meio milhão de pessoas pediam a derrubada do governo provisório de Getúlio Vargas e a promulgação de uma nova Constituição para o país. “O Brasil precisa novamente mudar. Vamos tomar o País de volta”, enfatiza.

Contradições

Enquanto o grupo que lidera a Marcha busca exigir princípios constitucionais ao pé da letra com auxílio das forças armadas, existem pessoas que ressaltam pontos contraditórios desses pedidos. O militante sindical e jornalista Roberto Elias Salomão é uma delas. Ele acredita que os organizadores dessa passeata estão despreparados. “Basta procurar o que dizem na internet ao falar de autoritarismo, ódio e preconceitos. Por serem mais fracos que seus iguais de 64, são mais barulhentos e mais radicais em suas exigências. Querem fechar inclusive as assembleias legislativas – algo que nem a ditadura militar ousou fazer”, aponta.

De acordo com Salomão, as reformas estruturais propostas pela ditadura na década de 1960 trouxeram pontos extremamente negativos. “A ditadura amordaçou o povo, exilou, demitiu, prendeu, torturou, matou e fez desaparecer milhares de pessoas. A concentração de renda e a corrupção atingiram níveis assombrosos. Não vejo nada de bom na ditadura e nenhum motivo para querer sua volta”, declara.

Para exemplificar os defeitos do sistema político brasileiro, o militante diz que a reforma deve participar de outro pressuposto, dando saltos à frente, e não voltando atrás. “Os defeitos se ligam a instituições herdadas da ditadura militar que continuam valendo. Basta olhar para a polícia militarizada, responsável por incontáveis assassinatos e atrocidades de todo tipo e o congresso com certa representatividade desproporcional”, lista. Salomão sentencia: “Essa Marcha é contra os trabalhadores, contra a democracia”.

Tempos de saudade

Segundo o coordenador de um projeto de estudos sobre a Ditadura Militar e professor José Carlos Fernandes, pela versão dos esquerdistas, houve uma manipulação das donas de casa das classes médias, naquele 1964, apavorando-as em relação à tomada do país pelos comunistas. Para Fernandes, esse caráter alarmista da marcha – que aconteceu em várias cidades brasileiras, inclusive Curitiba – acabou tornando o evento um fato folclórico, revelador do misto de ingenuidade e ignorância que rondam o golpe de 64.

Para ele, havia uma associação curiosa entre comunismo e devassidão. “Os comunistas em geral são bastantes conservadores em termos de costumes. A coisa mais fácil do mundo é encontrar um brasileiro que diga ter saudade do tempo dos militares – desconhecendo a tortura e tudo mais, ou achando que era legítima. Não me espanta que essas pessoas, que execram a era Lula, topassem sair à rua reeditando a Marcha”, completa.

Rota

O evento oficial, de Curitiba, da Marcha da família com Deus pela Liberdade na rede social Facebook já possui mais de 250 pessoas confirmadas. Segundo informações, o trajeto começa na Boca Maldita, às 15 horas e segue até a Rua João Negrão, onde o grupo deve se dirigir até o Batalhão do Exército na Avenida Silva Jardim. Após uma breve parada, os manifestantes devem ir em direção ao Círculo Militar, pela Rua Tibagi, até chegar à Rua Itupava.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes