Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
ter 23 jul 2024
HomeCiência & TecnologiaProjeto de universidade brasileira realiza pesquisa de carne cultivada

Projeto de universidade brasileira realiza pesquisa de carne cultivada

Estudo, liderado pela Universidade Federal do Paraná, busca o desenvolvimento de proteínas alternativas

A Universidade Federal do Paraná (UFPR), em colaboração com outras instituições, está realizando uma pesquisa para a criação de carne cultivada a partir do manejo de células bovinas. O projeto conta com investimento do Estado do Paraná e faz parte do Napi-PA (Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação em Proteínas Alternativas), financiado pela Fundação Araucária e coordenado pela professora Carla Molento. Com essa parceria a universidade fundou, em setembro de 2022, o Laboratório de Zootecnia Celular (ZOOCEL) do Setor de Ciência Agrárias, o primeiro dentro de uma universidade brasileira.

A iniciativa visa desenvolver tecnologias de pesquisa e desenvolvimento de proteínas alternativas para levar ao mercado paranaense e nacional novas possibilidades de consumo nos próximos anos. Entre as principais contribuições do projeto estão a busca pelo bem estar animal e a produção sustentável de alimentos. “Nosso foco é diminuir os riscos de resistência bacteriana e cruzamentos virais, bem como economizar recursos naturais frente a forma convencional, favorecendo a produção sustentável de alimentos, economizando água, estimulando a proteção dos ecossistemas, promovendo o consumo e a produção sustentável, combatendo as mudanças climáticas, fortalecendo a resiliência, reduzindo a poluição marinha e a degradação de habitats naturais.”, diz Vívien Garbin — Pós-doutoranda em Bem-estar animal e alternativas para ensino, pesquisa e testes com animais de Pós-graduação em Ciências Veterinárias da UFPR.  

Pós-doutoranda Vívien Garbin no laboratório Centro de Diagnósticos Marcos Enrietti. (Créditos: Milena Hable)

O processo de produção de carne celular funciona da seguinte maneira: inicialmente as células do animal são colhidas por meio de uma amostragem e colocadas em um meio que possibilite sua nutrição e desenvolvimento. Depois, esse material é levado para biorreatores, onde são mantidos em condições controladas e adequadas que estimulem seu crescimento. A partir da multiplicação das células uma maior quantidade de material é gerado, permitindo a formação do produto final. 

Crédidos: Milena Hable

O projeto busca também eliminar todos os produtos de origem animal que possam estar envolvidos no cultivo celular. Por meio de uma pesquisa de Iniciação Científica (IC), o Zoocel/UFPR, em parceria como Centro de Diagnósticos Marcos Enrietti, está testando um meio de cultura que não contém o soro fetal bovino, principal suplemento utilizado para a nutrição das células. “Essas células vão receber alimentos, nutrientes. E seria ideal que esses nutrientes também não fossem de origem animal, que ela tivesse todos os aminoácidos necessários, tudo que ela precisa para se desenvolver e multiplicar, mas sem que a gente dependesse de tirar isso de animais.”, fala a graduanda em Medicina Veterinária e bolsista pela IC, Maria Eduarda Gurski Coelho. 

O desenvolvimento do Napi-PA conta com a participação de diversos setores da universidade. Estão envolvidos na pesquisa o Setor de Ciências Agrárias, sede da coordenação da proposta, o Setor de Biotecnologia, de Administração e o campus Jandaia do Sul, além da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e Universidade Estadual de Maringá (UEM). “Este mercado está em um crescimento acelerado e tem obtido bilhões de dólares em investimentos, e queremos que o Brasil se torne o expoente deste setor.”, finaliza Vívien. 

CONTRAPONTO

Apesar da carne cultivada levar a diminuição do consumo de água e da ocupação de terras, outros impactos devem ser considerados. A produção tradicional gasta, de acordo com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), 15,5 mil litros de água para cada quilograma de carne. Da mesma forma que o agronegócio utiliza 75% das terras cultivadas para a pastagem e produção de ração. 

Os gastos e danos com infraestrutura e energia, para que a carne celular seja produzida e comercializada, também são problemas a serem pensados. Da mesma forma que, o uso de materiais descartáveis produz uma grande quantidade de resíduos. Esse são utilizados para criar um ambiente estéril e impedir a contaminação das células.

Em questões éticas, apesar da produção cultivada diminuir drasticamente o número de animais abatidos, as células utilizadas ainda são retiradas de animais vivos. Essa questão levanta novos questionamentos, principalmente sobre o bem estar animal. Outro ponto é que a disponibilidade desse item no mercado incentiva o consumo e produção de carne, mesmo que a de laboratório. 

Milena Hable
Estudante de jornalismo da UFPR
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Milena Hable
Estudante de jornalismo da UFPR
Pular para o conteúdo