Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
sex 19 jul 2024
HomeAgriculturaApenas 36% dos mais de 200 mil agricultores familiares do Paraná acessam...

Apenas 36% dos mais de 200 mil agricultores familiares do Paraná acessam Crédito Rural

Durante o evento Show Rural, em Cascavel, o governador Ratinho Jr. (PSD) afirmou que o agronegócio é a “locomotiva do Paraná”. Na ocasião, destacou que a função do poder público é contribuir com o crescimento da atividade, segundo informações da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab).

Em resposta às críticas por privilegiar o setor agroindustrial, na campanha para reeleição, em 2022, Ratinho se propôs a melhorar a vida das famílias, das mulheres e dos jovens que trabalham no meio rural. Dessa forma, o enfoque até 2026 será em produtividade, rentabilidade e sustentabilidade, de acordo com o plano de governo apresentado para sua nova candidatura.

Ações de fomento, nesse contexto, são o meio pelo qual o governo tenta realizar esses objetivos. Por exemplo, em 2020, quando o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Estadual beneficiou 1.134 agricultores familiares. Os beneficiados não são cooperados e vivem em situação de vulnerabilidade social, em 80 municípios com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Com o programa, poderiam receber até R$ 6,5 mil por ano. Por sua vez, o Coopera Paraná, organizado e coordenado pela Seab, destinou R$ 31,5 milhões ao pequeno agricultor em 2021 e 2022.

Entretanto, a agricultora familiar Rosemari Ribas Danrat conhece poucos produtores que conseguiram financiamento nesse período. “A gente tinha que ter mais crédito. Os juros cresceram muito, mas o Crédito Rural pouca gente conseguiu”, opina.

Dos 208 mil agricultores familiares paranaenses, menos de 75 mil acessam o crédito rural via Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), pelo qual os governos estaduais financiam os agricultores familiares. O número de pequenos produtores com Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP) também caiu 57%, passando de 204 mil em 2015 para apenas 86 mil em janeiro de 2022, conforme dados da Seab.

Sem a DAP, as cooperativas não podem integrar mercados institucionais da agricultura familiar, como o PAA, o Crédito Rural, e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), que compra alimentos orgânicos exclusivamente de agricultores familiares. No Paraná, foram investidos R$75 milhões em pequenos agricultores para fornecimento de merendas escolares em 2021. No ano passado, o valor passou a R$ 80 milhões, de acordo com o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional. Programas como esses, segundo a agricultora Sandra Mara Ribas Machado dos Santos, são absolutamente necessários.

O investimento público é preciso para garantir o sustento da própria família, continuar preservando as áreas que a gente administra

Andrea Bueno, agricultora familiar

Sandra e a irmã, Rosemari, estão há 40 anos na profissão. Hoje, são expositoras na feira de Orgânicos do Passeio Público, em Curitiba, e participam dos programas de fomento do governo do estado, como o PAA e em particular o PNAE, que compreende a maior fonte de renda da família. Para Sandra, as escolas e demais estabelecimentos que recebem os produtos são um público vital.

Apesar dos investimentos, ela afirma que o acesso a financiamentos ainda é limitado. “Nós estamos perecendo no meio rural, têm agricultores desistindo ou falindo. Só aqui na feira perdemos cinco agricultores de produtos orgânicos”, relata Sandra.

Diferente das irmãs Ribas, a empreendedora familiar Andrea Bueno, de Quatro Barras, Região Metropolitana de Curitiba, não tinha confiança de que o governo compraria seus produtos. Ela trabalha no ramo há dez anos, e hoje participa de três cooperativas orgânicas:  Cooperativa Agropecuária de Quatro Barras (Coag-Quatro Barras), Cooperativa de Processamento Alimentar e Agricultura Familiar Solidária de Piraquara (Copasol Trentina) e Cooperativa de Agricultores Orgânicos e de Produção Agroecológica de Colombo (Coaopa). Além disso, vende sua própria linha de produtos naturais.

No entanto, a subsistência da família ainda é um desafio. Durante momentos difíceis, já considerou parar de trabalhar na área. Segundo ela, não existem políticas públicas de incentivo suficientes para atender a todos os agricultores paranaenses. Por causa disso, deixou de procurar essas alternativas.

Entretanto, reconhece a utilidade dos recursos públicos. “O investimento público é preciso para garantir o sustento da própria família, continuar preservando as áreas que a gente administra, continuar tendo uma vida saudável que seja digna”, explica.

Andrea Bueno é empresária autônoma. Ela cultiva os próprios morangos e produz bolos, biscoitos, tortas, molhos, compotas e geleias para completar a renda familiar, já que não conta com financiamento público.

Reportagem por Bianca Weiss, Jaine Vergopolem e Jaqueline Siqueira

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo