sáb 18 maio 2024
HomeDestaquesLonge dos holofotes, Imperial recebe taça de Campeão Paranaense feminino

Longe dos holofotes, Imperial recebe taça de Campeão Paranaense feminino

Equipe de Curitiba levou título da categoria sub-17 pela primeira vez e revela que o futebol feminino tem procurado mais espaço

Por Giovana Bonadiman e Rafael Maldonado

O Imperial Futebol Clube, do bairro Mossunguê, levantou a taça de Campeão Paranaense Feminino sub-17 na última terça-feira (12). A premiação aconteceu no Estádio Octavio Nicco, casa do Imperial, antes de jogo-treino das campeãs contra o time sub-20 do clube. A conquista do título mostra como o time tem assumido um papel fundamental para um maior interesse no futebol feminino no Paraná.

A equipe confirmou o título sem entrar em campo, pois o time do Grêmio Madeirit, de Guarapuava, abandonou a competição e teve as partidas anuladas. Com os pontos das partidas contra o Madeirit retirados e a derrota do Londrina para o Toledo na última rodada, o time de Curitiba trouxe o título inédito para casa fechando uma “dobradinha” – o IFC levou também de forma inédita a taça do estadual feminino sub-15.

A FALTA DE INCENTIVO 

O desenvolvimento do esporte tem sido mais constante – a Copa do Mundo na Austrália e Nova Zelândia e a final do Brasileirão da categoria quebraram recorde de audiência – mas o futebol feminino no Paraná caminha a passos bem mais curtos.

“Muita gente não acredita no futebol feminino, você vai bater na porta dos empresários pedir ajuda e fala que é futebol feminino, [a resposta] é ‘não’ ”, desabafa Fabiano Trevisol, presidente do Imperial. A falta de incentivo financeiro ainda é um grande obstáculo para o desenvolvimento dos times femininos, que sofrem com a falta de patrocínio de grandes empresas.

A diferença salarial também é um ponto que rende discussão. Uma jogadora profissional recebe em média cerca de R$ 5 mil, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). O número colocado em comparação com a média salarial dos jogadores –  cerca de R$ 4 mil – até pode parecer mais alto, porém isso só ocorre pelo fato de que existe uma grande quantidade de atletas homens em divisões menores e campeonatos pouco expressivos. O número de mulheres que são profissionais e competem na primeira divisão nacional ainda é muito baixo, o que gera esse déficit. Com valores chegando a uma média de R$ 80 mil, o salário de um jogador da série A pode pagar as despesas de um time inteiro de futebol feminino. 

O juiz da partida, Valdegênio Lima, também percebe as diferenças: “Quando eu vou apitar o profissional [masculino] eu chego no vestiário e está lá: gatorade, cafézinho, fruta. Vê se as meninas tem isso?”. Árbitro desde 1998, ele diz que falta atenção à modalidade: “Tem que focar mais no feminino, o futebol masculino já está bem estruturado. Tá crescendo por enquanto os times do Rio e de São Paulo, e no Paraná que tem uma tradição bonita, as pessoas fecham os olhos para as meninas, tem meninas muito boas aqui”.

“Uma menina pode jogar muita bola mas não vai ganhar o salário como um Neymar”

Valdegênio Lima

IMPERIAL 

O time feminino do Imperial tem parceria com o Coritiba. Usa o escudo do alviverde nas competições profissionais e sub-20, além de receber auxílio financeiro e de pessoal para manter a equipe. “O Coritiba fornece material e subsídio além do nome para entrar em competições. Mesmo o feminino sendo menos, ainda é custoso”, comenta Marlon Major, treinador da equipe sub-17. Trevisol, o presidente do Imperial, diz que o grupo que comanda a SAF do Coritiba tem planos de continuar com o feminino para além da obrigação – desde 2019 a CBF exige que os clubes tenham time feminino para disputar a série A – e acredita no investimento e evolução do projeto.

O estádio do Imperial está localizado no bairro Mossunguê. Foto/Giovana Bonadiman

UM FUTURO PARA O ESPORTE 

O Presidente fala com orgulho da jornada do clube, referência em formação no Paraná: “Começou em 2014 e vem crescendo cada vez mais, estamos revelando bastante atletas”. A zagueira Isabela Soares e a atacante Pamela Freitas, ambas de 17 anos, comentam o apoio dado pelo clube: “É um dos poucos aqui no Paraná que investe no futebol feminino […] aqui [Imperial] é para o futebol feminino”. Sobre o futuro da carreira, as campeãs estaduais se mostram otimistas: “É difícil mas não é impossível”, pondera Pamela. “Há dois anos atrás o futebol feminino não era do mesmo jeito que é hoje, então a gente tem muita chance de sonhar em viver só disso”, completa Isabela.

Jogadoras do Imperial recebendo o título do sub-17 paranaense. Foto/Giovana Bonadiman

Em 2023 o Imperial/Coritiba tem no calendário o paranaense profissional – ainda sem data para o arbitral –, a Ladies Cup sub-20 e a Girl Power Cup, organizada pela Next Academy para dar mais minutos às atletas. O clube ainda aguarda informações sobre o Brasileiro sub-17 e a recém criada Copa São Paulo, que tem previsão de ser realizada em dezembro. A Federação Paranaense de Futebol planejava o estadual sub-20, mas foi cancelado por falta de equipes inscritas. 

Foto/Giovana Bonadiman

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo