seg 18 out 2021
HomeDestaques Tensão marca terceiro dia de ocupação da Assembleia Legislativa

Tensão marca terceiro dia de ocupação da Assembleia Legislativa

Apesar da suspensão do pacotaço, manifestantes mantém acampamento no Palácio Iguaçu (Foto: Victoria Tuler)
Apesar da suspensão da votação do pacotaço, manifestantes mantém acampamento no Palácio Iguaçu
(Foto: Victoria Tuler)

A tarde desta quinta-feira, 12, foi tensa para os manifestantes que ocupavam a região do Centro Cívico em repúdio ao pacotaço de medidas de contenção de gastos proposto pelo governo estadual. O confronto entre participantes do protesto e policiais acabou com feridos e culminou na suspensão temporária do projeto.

Ainda durante a manhã, manifestantes bloquearam todas as entradas e portões da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep), na tentativa de impedir a entrada dos deputados. Nas ruas, no entorno do prédio, pessoas também impediam a passagem de veículos particulares – apenas ônibus e ambulâncias conseguiam circular pela região. No início da tarde, cerca de quatro carros do Bope, entre eles uma viatura canil, conseguiram furar o cerco dos manifestantes. Em seguida, com escolta do Batalhão de Choque e de um cordão de isolamento formado pela Polícia Militar, os deputados conseguiram entrar no prédio dentro de camburões.

A chegada do reforço policial intensificou a tensão entre as autoridades e manifestantes. Ao se aproximarem do contingente do Choque, os participantes do protesto foram recebidos com spray de pimenta. Em resposta, dezenas de pessoas sentaram na rampa da Alep, simbolizando a intenção pacífica da manifestação. Alguns professores também ofereceram flores aos policiais. Por volta das três da tarde, um grupo tentou furar o bloqueio da polícia, que reagiu com gás lacrimogênio, bombas de efeito moral e tiros de borracha. A reação violenta agravou a situação e uma multidão conseguiu invadir a Assembleia, provocando a suspensão da sessão.

Feridos

De acordo com as informações oficiais da Secretaria de Segurança Pública, o conflito terminou com 11 feridos, sendo seis manifestantes e cinco policiais militares. Entretanto, os socorristas presentes na manifestação estimam terem atendido pelo menos trinta pessoas, a maioria delas com ferimentos de balas de borracha. Além deles, pelo menos uma pessoa se sentiu mal durante o protesto e precisou ser socorrida pelo Siate.

Uma das feridas foi a mestranda em direito Gabriela Telles, que teve a perna atingida por uma bomba. Segundo ela, o Choque abriu fogo indiscriminadamente contra os manifestantes no momento da tentativa de invasão a sessão. “Foi uma reação desmedida. Eles dispararam balas de borracha contra senhorinhas de 60 anos”, afirmou.

A advogada Clarissa Viana também estava entre os atingidos pelas bombas, mas não se feriu. Para ela, a repressão policial não era necessária, uma vez que os manifestantes que forçavam a entrada estavam desarmados. “Apesar da violência, eu senti que os policiais não queriam estar fazendo aquilo e que entendiam nossa luta”, defendeu.

Outro lado

Através de sua assessoria de imprensa, o governador Beto Richa atacou os manifestantes, a quem chamou de “um grupo de baderneiros”, que teriam imposto “uma mordaça ao Poder Legislativo, impedindo temporariamente seu funcionamento”. “O que aconteceu foi uma manifestação absurda e violenta, que atenta contra a democracia, a liberdade de expressão e o estado de direito. […] É lamentável que a democracia, pela qual tanto lutamos, seja ameaçada por atos violentos como os que assistimos no dia de hoje”, diz ainda a nota oficial. Confira a íntegra da nota.

Apesar da suspensão do pacotaço para reexame, a greve dos professores e servidores das escolas estaduais continua por tempo indeterminado. O grupo que ocupa a Alep deve deixar o plenário nas próximas horas e acampar em frente ao Palácio Iguaçu.

Leia mais:
15 imagens incríveis que explicam como foi a luta dos professores contra o Pacotaço
Sessão não acontece e “pacotaço” é retirado de pauta para reexame
URGENTE: Paçotaço de Beto Richa não será votado hoje (12)
Diversos movimentos apóiam a greve dos professores estaduais
Educadores e manifestantes ocupam Assembleia Legislativa do Paraná
Professores da rede estadual continuam a manifestação em frente a Assembleia Legislativa do Paraná

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes