ter 23 abr 2024
HomeCulturaAdmirável Futuro Novo permite reflexões sobre humanidade desumana

Admirável Futuro Novo permite reflexões sobre humanidade desumana

Espetáculo apresentado pelo grupo Pé no Palco é uma distopia na qual há espaço para críticas ao sistema capitalista e ao patriarcado

A trama Admirável Futuro Novo é uma adaptação do conto Títulos, de autoria do escritor carioca Leandro Coelho, e que foi inspirado na obra Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Dirigido por Vanessa Corina, o espetáculo tem duração de uma hora e conta com a presença da banda Vulcaniótica, possuindo uma trilha sonora animada com influência do rock e do punk, além de elementos eletrônicos.

A dramaturgia conta a história de Cristine (interpretada por Jordana Botelho), uma mulher que vive em um futuro distópico, que está cansada de sua realidade e resolve alugar uma família para deixar os seus dias mais interessantes. Ela aluga um marido, filhos e cachorro, escolhendo as características e programando a vida de cada um deles. A ideia de poder pagar por uma família perfeita é vendida como verdade, no entanto, a realidade se mostra outra quando Cristine se depara com situações fora de seu controle. A negligência da mãe pela filha, o contato físico como promíscuo e a família como propriedade são algumas das críticas da peça.

A diretora do espetáculo, Vanessa Corina, explica que a adaptação do conto para o universo teatral durou um mês, nesse meio tempo foram produzidos diálogos e personagens que antes não existiam. Ela fala que a inspiração surgiu por achar Títulos um conto maravilhoso, e afirma que o grupo teatral tem planos de no futuro fazer adaptações de novas obras.

Para o espectador Gabriel Fruet, de 21 anos, o que mais chamou atenção, além das críticas sutis feitas ao capitalismo e ao patriarcado, foi a personagem Cristine que esteve o tempo inteiro presente no palco:

“Ela representava o futuro, e o futuro está sempre ali, é inevitável. No início ela é uma vítima e, então, o sistema a torna uma opressora”.

Gabriel Fruet, espectador

“Acho que eles queriam mostrar que as pessoas no futuro seriam oprimidas desde o embrião, que é a ideia do livro Admirável Mundo Novo. Nele, as pessoas não têm mais identidade e são obrigadas a viver nesse sistema,” complementa Monique Lopes, que também assistiu à peça.

Com uma plateia lotada, os artistas conseguem deixar o público instigado do início ao fim. Um show que brinca com cores, músicas e emoções, que leva reflexão aos espectadores sobre a liberdade de escolha e a manipulação pelo sistema. Uma peça subjetiva, com diferentes interpretações, que mantém o espectador interessado e pensativo sobre um futuro que não está tão distante.

Pé no Palco

A história da escola Pé no Palco Atividades Artísticas começou em 1995. O grupo teatral tem parceria com a Fundação Cultural de Curitiba, com a direção e coordenação de Fátima Ortiz. Em 2002 foi criado a Associação Civil sem fins lucrativos “Amigos do Pé no Palco – Ação em Valores Humanos” e através dela é idealizado projetos socioculturais com foco no atendimento a crianças e jovens oriundos da rede pública de ensino, expostos à vulnerabilidade socioeconômica, a fim de contribuir na inclusão social e à conscientização da importância do acesso à arte e cultura. Somente na sede Rebouças, foram mais de 1.000 peças encenadas e a realização de mais 18 projetos socioculturais específicos de arte educação.

Espaço Fantástico das Artes

O Espaço Fantástico das Artes é um lugar único em Curitiba, localizado na Rua Trajano Reis, 41. Possui uma sala multiuso para teatro, música, dança, circo, entre outras propostas artísticas. Também é utilizado para ensaios, oficinas diversas e eventos fechados, tais como: aniversários; confraternizações; casamentos; palestras e corporativos. O Espaço também conta com um hall de entrada/café e área externa com deck.

31° Festival de Curitiba

O Festival de Curitiba, que começou no dia 27 de março e vai até 9 de abril, conta com mais de 350 atrações e cerca de 2 mil artistas. Um dos maiores festivais de artes cênicas da América Latina, tem como lema “O festival para todos” na sua 31° edição. Como espelho das transformações sociais, a curadoria das mostras apresenta programação diversa, com representatividade em temáticas, artistas e públicos. Os ingressos chegam a R$ 80 e são vendidos de forma presencial e on-line. Confira a programação oficial.

Flavia Keretch
Estudante de Jornalismo da UFPR.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Flavia Keretch
Estudante de Jornalismo da UFPR.
Pular para o conteúdo