seg 18 out 2021
HomeDestaquesCrianças portadoras de doenças graves assistem à Copa do Mundo

Crianças portadoras de doenças graves assistem à Copa do Mundo

A ONG Make A Wish, com a ajuda de voluntários e parceiros, está trazendo à Curitiba crianças e adolescentes que têm o sonho de presenciar uma Copa do Mundo. Cada participante vai ver dois jogos e ainda fará tours pela cidade com ingressos, transporte e estadia gratuitos. A família dos jovens também acompanha o passeio, o que totalizará 155 beneficiados até o final dos jogos.

Os participantes, com idades entre três e dezoito anos, são portadores de doenças que colocam suas vidas em risco. O objetivo da Make A Wish é realizar os sonhos desses jovens para, assim, auxiliá-los na recuperação da doença. A ajuda dá forças para o tratamento e traz de volta o sentimento de infância, prejudicados pelo uso de remédios e dias no hospital.

A americana Lorie Hennessey é uma das responsáveis por organizar a viagem pelo Brasil. Como Diretora de Esportes e Entreterimento da ONG, ela leva crianças para conhecer celebridades e participar de eventos esportivos. Lorie conta que a experiência durante o Mundial está sendo incrível: “O mais legal é ver as famílias passando um tempo em que não se preocupam com nada”, diz.

Dentre todas as cidades-sede, Curitiba que receberá o maior número de crianças da Make A Wish. A preferência levou em conta fatores como o preço, clima e organização. Após pesquisas, a ONG percebeu que, além de ser a sede mais barata, a capital paranaense oferece facilidades no deslocamento para os estádios, para os passeios e para algum hospital, caso necessário.

A família Hidalgo morava no Equador e vive, agora, em Miami. Como bons torcedores, foram vestidos com a camisa da seleção latina para assistir ao jogo do Brasil na FIFA Fan Fest, no último dia 17 (Foto: Thaíssa Falcão)

Andrés Hidalgo, um dos jovens participantes, tem 17 anos e é portador de leucemia, câncer que pode levá-lo à morte. Ele conta que, desde pequeno, sempre assistia jogos de futebol com a família e praticava o esporte com seu pai. Logo, sua maior vontade era participar de uma Copa do Mundo: “Eu descobri que sonhar pode ser bom, mesmo que você esteja passando por algo ruim”, conta Hidalgo.

Descoberta do sonho

A organização identifica o que mais trará felicidade às crianças por meio de entrevistas. Sabrina Modesto, voluntária do Make A Wish, conta que através desse contato, o real sonho é descoberto. “Algumas crianças esquecem que podem sonhar alto devido à doença, mas insistimos até perceber que o olhinho dela brilha mais quando falamos de algum assunto.”. Ela ainda ressalta: “Não é apenas a realização de um pedido, queremos realizar sonhos que realmente transformem a luta contra a doença”.

O primeiro contato acontece, geralmente, por indicação de médicos e enfermeiros, incentivando as crianças a enviarem cartas ou e-mails para a Make A Wish. Assim, os sonhos são divididos em quatro categorias. A primeira é a “quero ter”, que abrange bens materiais como smartphones e notebooks. Já a “quero ir”, envolve viagens, como no caso da Copa do Mundo. Quando o sonho é conhecer uma celebridade, como cantores internacionais ou jogadores de futebol, ele se encaixa em “quero conhecer”. A última, “quero ser”, acontece quando a criança quer vivenciar o dia-a-dia de alguma profissão.

História

Chris Greicius, portador de leucemia, foi um exemplo da última categoria: queria ser policial por um dia. Linda Pauling, mãe do garoto, se organizou com os policiais da cidade, Phoenix, onde viviam, para proporcionar esse momento ao filho. Três dias depois, ele morreu devido ao câncer. A felicidade do filho foi tão grande que Linda decidiu proporcionar aquela emoção para outras crianças doentes.

Assim, em 1980, surgiu a Make A Wish que vem realizando um sonho a cada 28 minutos. “É incrível! Qualquer coisa que faça as crianças se sentirem melhores, eles conseguem tornar realidade”, conta Hidalgo, durante o intervalo do jogo Brasil X México, na Fan Fest de Curitiba.

Como ajudar

No Brasil, a ONG conta com escritórios em São Paulo e Campinas e voluntários espalhados por outras cidades. Mais de 700 sonhos já foram realizados no país e a intenção é ampliar esse número através da instalação de outros novos escritórios. Para se tornar voluntário ou realizar doações, basta acessar o site da Make A Wish no Brasil.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes