Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
sex 19 jul 2024
HomeDestaquesDireitos humanos e cidadania ainda são dificuldade a população LGBTQIAP+

Direitos humanos e cidadania ainda são dificuldade a população LGBTQIAP+

Audiência realizada na Câmara Municipal de Curitiba busca a promoção das políticas públicas em prol da comunidade

As populações de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis, Queers, Intersexuais, Assexuais, dentre outras, batalham diariamente em busca de direitos ligados à saúde, moradia, renda e educação. Tal assunto necessita ter sua visibilidade ampliada para romper preconceitos e garantir a democracia. 

Para isso, uma das formas encontradas é promover debates. Sendo um deles a audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos, Defesa da Cidadania, Segurança Pública e Minorias realizada anualmente na Câmara Municipal de Curitiba, em alusão ao dia 17 de maio – Dia Mundial de Combate à LGBTfobia – conduzida pela vereadora de Curitiba e presidenta da Comissão dos Direitos Humanos, Giorgia Prates.

Vereadora Giorgia Prates durante audiência pública organizada na Câmara Municipal de Curitiba. Foto: Rodrigo Fonseca/CMC

“É muito significativo podermos reunir as pessoas diante de um tema, ainda mais perto de uma data tão importante. Comunicar isso para a sociedade dizendo: nós estamos aqui!”

Giorgia Prates, vereadora

Sobre a audiência

A audiência foi realizada no dia 15 de maio, na Câmara Municipal de Curitiba e recebeu organizações da sociedade civil e órgãos públicos para debater melhorias para a comunidade. A primeira a falar foi a professora e militante da Rede Nacional de Lésbicas e Bissexuais Negras Feministas (Candaces) Angela Martins, que frisou a importância da mudança de leis que permitam que a comunidade tenha abertura, acesso e condições perante a sociedade.

O primeiro hotel social do Paraná que atende mulheres trans e travestis, também integrou a discussão. Dentre as 22 vagas ofertadas, quatro são direcionadas a homens trans, mas ainda não estão preenchidas. Angela pediu a ampliação do hotel social para a população LGBTQIAP+ como um todo, que muitas vezes está em situação de vulnerabilidade e necessita de acolhimento.

A professora de Psicologia na Universidade Positivo e integrante da Liga Brasileira de Lésbicas, Grazielle Tagliamento, trouxe à discussão a necessidade de protocolos próprios na saúde mental de jovens da comunidade. Segundo ela, psicólogos muitas vezes não têm o preparo necessário para lidar com a situação.

“Chega no CAPS (Centros de Atenção Psicossocial) infantil um jovem trans com várias tentativas de suicídio e aí? Faz o quê? Não existe o recorte da violência que ele sofre no dia a dia, na escola, em casa e na rua”

Grazielle Tagliamento, professora e psicóloga

Segundo ela, mais do que criar novas políticas públicas, é preciso fazer com que as que já existem, funcionem. Ela pede um fortalecimento na formação desses profissionais para que eles sejam capazes de atender a todos com dignidade, e entender a influência da violência que a comunidade sofre como causa de transtornos mentais.

Primeira pessoa trans do país a ocupar o cargo de ouvidoria externa de uma Defensoria Pública Estadual, Karollyne Nascimento narra sobre a solidão e a violência que as pessoas transgênero e travestis enfrentam na sociedade e como nenhuma organização, seja ela municipal ou estadual, nenhum órgão público quer lidar com essa temática, pois esta é uma população indesejada para a sociedade. 

Audiência Pública Cidadania e Políticas Públicas LGBTQIAP+. Foto: Rodrigo Fonseca/CMC

Segundo Karollyne, homens gays e mulheres lésbicas conseguem se inserir no grupo do gênero que se identificam, diferente da população trans e travesti, que sofre violência dentro e fora da comunidade LGBTQIAP+. Por isso, crê em espaços específicos para essa parte da comunidade, para que se sinta realmente acolhida. “Antes de tudo precisamos reconhecer esses corpos dessas mulheres – travestis e transsexuais – como sim, corpos de mulheres. Gênero feminino! Se vamos falar sobre mulheres, partimos do princípio que todas as mulheres estão se falando”, diz. E continua:

“Não haverá direito à segurança, sem a segurança dos outros direitos fundamentais e esse direito, especificamente, é o de vocês. Não podemos falar em segurança pública sem antes garantir o direito e a proteção de vocês.”

Karollyne Nascimento, defensora pública

Posicionamento do Executivo 

O secretário municipal de Defesa Social e Trânsito, Péricles de Matos, reconhece a violência que a comunidade está inserida e alega que a prefeitura de Curitiba, por meio da gestão do prefeito Rafael Greca, desenvolve ações em prol dessa população.

Foram citadas as seguintes ações realizadas, que segundo o secretário chegam até a comunidade: Casa da Mulher Brasileira de Curitiba, Mulheres em Situação de Violência, Feira da Cultura Africana, Política para Mulheres, Política de Igualdade Racial, Política de Diversidade Sexual e a criação do Conselho da Diversidade, criado no dia 13 de fevereiro deste ano, que permite uma interlocução melhor entre a comunidade e os serviços públicos municipais.

A militância, audiências e debates públicos continuarão acontecendo de forma recorrente, para que o avanço das políticas públicas possa ser feito e assim garantir a cidadania da comunidade LGBTQIAP+, que luta dia a dia pelo direito de existir. A audiência pública pode ser conferida no vídeo abaixo.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo