Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
qui 18 jul 2024
HomeDestaquesE se o iPhone fosse seu único amigo no mundo?

E se o iPhone fosse seu único amigo no mundo?

Quando o musical Minha Bela Dama – My Fair Lady, para os íntimos – foi lançado em 1964, a história do cinema mudou de rumo. Audrey Hepburn interpreta, nesse filme, uma florista humilde que tem sua vida transformada após aulas de fonética com um intelectual. A história de Eliza Doolittle cativa até hoje por ser um clássico da comparação “antes e depois”. Foi baseada nela que a nova série Selfie, da Warner Bros, foi criada.

Com xxx e xxx no elenco, Selfie alcançou a marca de mais de 5 milhões de espectadores no episódio piloto (Foto: Reprodução Warner Bros)
Com David Harewood e Karen Gillan no elenco, Selfie alcançou a marca de mais de 5 milhões de espectadores no episódio piloto
(Foto: Reprodução Warner Bros)

Eliza Dooley, interpretada por Karen Gillan, é uma nova versão da Doolittle: viciada em redes sociais, ela tem milhares de seguidores e amigos virtuais, e as fotos que tira de si mesma têm grande repercussão. No entanto, sua habilidade de lidar com pessoas não passa da tela do seu celular, e é quando ela percebe que não tem nenhum amigo na vida real que pede a Henry Higgs (John Cho), um especialista de marketing da sua empresa, para lhe ajudar a mudar sua imagem.

A série estreou dia 8 de outubro no Brasil e foi produzida por Emily Kapnek, que rodou também a série Suburgatory. Nos Estados Unidos, ela foi lançada de forma inusitada: o perfil oficial de Selfie no Twitter postou o link com o episódio piloto antes da sua estreia geral.

O choque entre as gerações Y e baby boomers é um dos aspectos mais divertidos do roteiro. Enquanto Eliza é proibida de levar seu celular para um casamento e aprende a perguntar para as pessoas como elas vão, Henry se vê pela primeira vez viciado no Facebook – e tendo que com lidar com as pequenas situações constrangedoras da vida online, como se marcar sem querer na foto da sua ex-namorada amamentando. Os três episódios lançados até agora são recheados dessas pequenas pérolas com as quais os seus espectadores certamente acabam se identificando.

Outra característica marcante é a falta de tato de Eliza, que chega a ser cômica. E é nesse ponto em que a série é tão bem-sucedida: embora seja uma comédia, ela critica esse comportamento que cada vez mais marca as novas gerações – cabeças baixas, polegares rápidos, falta de atenção e de concentração e deterioração das relações humanas.

A dúvida que fica é se a série vai conseguir se manter. Por lidar com características tradicionais da vida do usuário de internet, é muito fácil cair na repetição – da mesma forma como já se esgotaram as pautas de televisão sobre selfies. Ou o roteiro se desenvolve rápido e dá origem a um novo conflito ou terá que se enrolar para mostrar até onde vai a mudança de Eliza. E, como ela trata de um momento e de um comportamento muito pontual, é muito fácil ficar logo ultrapassada: os iPhones não serão mais do último modelo, o mural do Facebook vai causar estranhamento e as hashtags citadas não serão mais atuais. Porém, mais do que um problema, isso pode ser interpretado como um reflexo do que a própria série propõe e que, por mais clichê que seja, vale ser relembrado: viver um momento de cada vez.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo