sáb 16 out 2021
HomeDestaquesNas calçadas do centro histórico, um dia ensolarado com culinária natural

Nas calçadas do centro histórico, um dia ensolarado com culinária natural

No alto do baixo São Francisco há uma portinha, algumas mesas na calçada, um cheiro agradável no ar, um guarda-sol e um adorno que balança no vento frio de Curitiba. Na calada do dia, enquanto o resto da Rua Trajano Reis dorme, fica aberto o Natural da Ordem, um restaurante e lanchonete que serve comida natural,  no Largo da Ordem, bem perto do “Cavalo Babão”. A rua é mais conhecida pela sua vida e gastronomia noturna, com pizzarias, hamburguerias, bares, restaurantes e boates que movimentam a região culturalmente durante a noite. À luz do sol, no entanto, pode-se apreciar os sabores da cozinha natural, especialmente preparada e livre de opressão animal.

No centro histórico, o Natural da Ordem oferece comida vegana a um preço acessível (Foto: Thiago Lavado)
No centro histórico, o Natural da Ordem oferece comida vegana a um preço acessível
(Foto: Thiago Lavado)

O Natural da Ordem é um restaurante modesto. O espaço é pequeno, com um balcão interno e algumas mesas que tomam conta da calçada, mas há a possibilidade de pedir o almoço para entrega no centro. Por doze reais, pode-se almoçar um prato de comida natural, livre de conservantes e sem nenhum produto de origem animal. Com mais alguns reais, pode-se também pedir o suco do dia, ou ainda optar pela vasta gama de sucos naturais disponíveis.

A alimentação natural foi algo que veio antes do próprio restaurante para Maria Izabel Di Stefano, a Bel. Há cinco anos, antes de abrir o restaurante, ela era educadora física e trabalhava como massoterapeuta em um shopping. Por causa da rotina apressada, pouco tempo e muito trabalho, estava se alimentando mal e também tendo problemas de saúde. “Eu comia muito lanche, comida rápida. Então, comecei a preparar algumas refeições, a fazer as comidas que eu gostava, coisas mais naturais. Fiz uma mudança de hábitos também: era uma pessoa com alergias e retirei o leite da alimentação, então parei de passar mal”, explica.

Aos sábados, ela costumava ir à feira de produtos naturais do passeio público e no trabalho, enquanto meditava, pensava na feirinha. Percebeu que aquilo era uma inclinação. Então, em conjunto com um sobrinho, abriu o Natural da Ordem, que no começo era uma casa de sucos e lanches, e passou a servir as refeições depois de cerca de três anos funcionando. A partir daí, ela começou a se especializar em alimentação natural e na importância de cada alimento no prato: “Fiz cursos de culinária indiana, no Sesc, e também um estágio no Clorofila [restaurante vegetariano macrobiótico de Curitiba]. A minha qualidade de vida melhorou muito e eu estou diariamente nessa busca por conhecer a alimentação natural”.

Ingredientes

Os pratos não tem dias da semana definidos, exceto pelos domingos, dos já tradicionais kibes, e pelas sexta, dia de feijoada vegana. O almoço, no entanto, segue um ritual: na entrada uma sopa, quente e saborosa, com uma granola salgada, pra amenizar esse frio curitibano. No prato principal, uma vasta gama de saladas e grãos: broto de feijão, arroz integral, vagem, couve, cenoura, beterraba. As verduras e legumes são da estação e estão mais do que presentes no almoço, que ainda conta com um prato quente especial, como estrogonofe ou panquecas, por exemplo. Bel se preocupa diariamente com a nutrição do prato e o valor energético da refeição. Ela percebeu que algumas pessoas começaram a se alimentar com bastante frequência no restaurante, levando-a a pensar nos nutrientes que as pessoas ingeriam. “Procuro seguir alguns ensinamentos da cozinha macrobiótica. Deixa a comida mais viva. Tento respeitar ao máximo a natureza e aprendi muito com a causa vegana”, diz Bel, que sempre tenta preparar os alimentos sem produtos de origem animal.

Modo de preparo

No natural trabalham cerca de quatro pessoas. Mas há sempre uma fila de colaboradores querendo participar e trabalhar. “Temos muitos colaboradores. Várias pessoas vem aqui trabalhar com a gente pra aprender e também pra ensinar. É uma filosofia de troca, de respeito de individualidades”, explica. Marta Alves de Albuquerque Gabardo trabalha no Natural desde outubro do ano passado, quando veio ajudar no preparo de algumas refeições e acabou ficando. Ela é nutricionista e cresceu bem perto da alimentação natural. “Oferecer um alimento saudável é muito importante e eu aprendi muito trabalhando aqui. Acaba completando a gente”, afirma.

O bom humor dos funcionários, como Marta e Bel (que me atenderam no dia) e as delícias servidas animam ainda mais o almoço de calçada num dia ensolarado, acompanhado de boa companhia. Bel e Marta entendem a importância de uma boa alimentação para uma boa vivência. Afinal, o conceito do Natural da Ordem pode ser definido em uma frase da Bel: “A alimentação não precisa ser um sofrimento”.

Serviço:

O Natural da Ordem fica na Rua Trajano Reis, 78, no Largo da Ordem, próximo ao “Cavalo Babão”.

Fica aberto de segunda a sexta-feira, das 12h às 18h30, e nos domingos das 11h às 16h.O restaurante aceita cartões.

Eles atendem pelo telefone 3027-3454 e também no Facebook:

https://www.facebook.com/pages/Natural-da-Ordem/134442106737802

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes