sex 22 out 2021
HomeCidadePeça “Conselho de Classe” levanta discussão sobre educação no Brasil

Peça “Conselho de Classe” levanta discussão sobre educação no Brasil

Quem esteve no Teatro Sesc da Esquina, no domingo 6 de Abril, esqueceu por cerca de uma hora que vivenciava o outono curitibano. A peça Conselho de Classe transportou o público para um colégio sem ventiladores ou ar-condicionado durante o verão, em pleno Rio de Janeiro. Era só a primeira e mais básica de todas as críticas ao sucateamento das escolas públicas brasileiras que seriam feitas no bem pensado texto de Jô Bilac.

A história se passa na última reunião do conselho de classe da fictícia Escola Estadual Dias Gomes. O cenário revela o tom crítico da peça desde o primeiro momento, apresentando itens típicos de escolas públicas com problemas de infraestrutura. Sinais de vandalismo – como armários quebrados, cadeiras mal conservadas e paredes pichadas – compõem a cena.

Além das reclamações sobre o espaço físico da escola, os discursos das personagens revelam os problemas relacionados à falta de investimento no setor educacional. O mais recorrente deles é a má remuneração dos professores que aparece diversas vezes, direta e indiretamente, na trama.

  Enredo

Plateia aplaude em pé o desempenho dos atores da peça “Conselho de Classe”
(Foto: Thais Barbosa)

Somente quatro professoras comparecem ao conselho de classe, que dá nome à obra, o que indica falta de participação de boa parte das educadoras e, principalmente, da comunidade na qual a escola se insere.

A reunião é marcada por diversos momentos de conflito causados por diferenças ideológicas entre as educadoras. Umas acreditam na possibilidade de mudança enquanto outras se mostram conformadas com a situação precária.

As discussões do conselho tem, entre outras pautas, a Revolta do boné, incitada pelos alunos. A ação, defendida pela professora de artes Célia, foi um protesto contra a proibição do uso de bonés no colégio.

O movimento culminou no afastamento da diretora da escola, Vivian, que, num acidente peculiar, foi ferida por um aluno que carregava uma cruz de madeira, inspirado pela peça O Pagador de Promessas. Um jovem diretor substituto é enviado para dirigir o conselho de classe, mas acaba se mostrando impaciente com a falta de organização da instituição.

O tom humorístico é garantido por Tia Paloma, professora de língua portuguesa e literatura, interpretada por Marcelo Olinto. Evidentemente influenciada pelos livros que trabalha com os alunos, a personagem discorre de maneira sonhadora e surreal sobre o futuro da educação brasileira.

 

Professor ou professora?

O principal diferencial de Conselho de Classe está no elenco bem preparado proveniente da Cia dos Atores. As quatro professoras de artes, literatura, educação física e ciências são interpretadas por Marcelo Olinto, Thierry Trémouroux, Leonardo Netto e Cesar Augusto, orientados pelas diretoras Bel Garcia e Susana Ribeiro a não adotarem trejeitos, caracterizações ou figurinos femininos para os papéis.

Apesar da aparente motivação humorística na escalação dos atores como mulheres, Marcelo Olinto explica que a decisão foi tomada após conflitos de agenda com as protagonistas do espetáculo ainda no período de pré-produção. “As atrizes escolhidas para participar tiveram que sair e a Bel [Garcia] decidiu, após pesquisas de campo, que seria inverossímil não haver professoras em uma escola, já que as educadoras são a maioria nessa profissão”, conta.

Com um texto divertido, recheado de sarcasmo e ótimas sacadas, Conselho de Classe acerta em cheio ao usar um viés do humor há muito esquecido nas principais produções brasileiras do gênero: O de agente político. A criticidade de Jô Bilac não é explícita nas falas dos personagens, mas está nas entrelinhas e em toda a atmosfera do espetáculo. Quando as luzes do palco se apagam, a mensagem sobre a educação brasileira está sólida como concreto para o público, mesmo com pouquíssimas falas diretas sobre o assunto. A apresentação na última noite do Festival de Teatro de Curitiba mostrou que a peça foi merecedora de todos os títulos que conquistou no ano passado, inclusive o de Melhor Peça do Ano pelo Prêmio Cesgranrio.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes