ter 26 out 2021
HomeComportamentoPrimeira edição do Curitiba Coffee Week revela novos hábitos do consumo de...

Primeira edição do Curitiba Coffee Week revela novos hábitos do consumo de café

Promover a cultura do café especial, oferecendo opções exclusivas para serem saboreadas individualmente ou em grupo e impulsionando toda a cadeia produtiva do setor. Esse é o principal objetivo do Coffee Week, evento fundado na cidade de São Paulo e realizado pela primeira vez em Curitiba entre os dias 15 e 30 de agosto.

Atual edição do Coffee Week traz o tema “Café com amigos” e incentiva o consumo coletivo de café através de promoções especiais. Foto: Sérgio Medeiros

Com curadoria do Drink Good Coffee, movimento que tem o objetivo de divulgar a cena voltada para os cafés especiais, o evento conta com a participação de 14 cafeterias curitibanas. “O Coffee Week é uma ótima oportunidade para que o público curitibano conheça novos lugares, diferenciados métodos de extração e principalmente a qualidade dos cafés preparados nas casas especializadas participantes”, conta Edenilso Gavlak, organizador do evento em Curitiba.

Durante o Coffee Week, que está sendo realizado simultaneamente em Curitiba, São Paulo e Brasília, as cafeterias participantes disponibilizam no cardápio uma opção exclusiva que valorize o mercado de cafés especiais e que mostre ao público os principais diferenciais de um café de qualidade. Ao contrário da maioria dos festivais gastronômicos da capital paranaense, no Coffee Week não haverá preço fixo – preços variam entre R$ 3 e R$ 13,50.

 

Novas formas de consumo

Segundo relatório divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic), o consumo de café fora do lar segue crescendo, representando 36% do consumo total, com um número cada vez maior de cafeterias, restaurantes, padarias e pontos de dose. Para a estudante Letícia Palmares, que participou do Coffee Week no New York Café – um dos estabelecimentos credenciados em Curitiba -, há cada vez mais opções de lugares para se degustar um bom café na cidade. “Quando estou em casa eu mesma preparo café, mas como passo a maior parte do dia fora acabo recorrendo às cafeterias, então é bom poder variar”, conta. Amiga de Letícia, a estudante Flávia Silveira vê o consumo de café como um ritual que aproxima pessoas: “Nós, por exemplo, estamos reunidas aqui para tomar café e conversar. O café favorece a socialização, seja entre amigos, seja entre familiares na própria mesa de casa”, diz Silveira. Já a arquiteta Marília Minczuk diz que gosta tirar um tempo da correria cotidiana para apreciar a bebida: “Gosto da pausa para o café. É o momento em que reponho minhas energias. Também faço questão de tomar depois das refeições principais, seja em casa ou em restaurantes”.

A Abic constatou ainda que 16% dos consumidores já experimentaram em casa cafés premiums, superiores ou gourmet. A escala de qualidade é classificada em três etapas – tradicional, superior e gourmet. Todas devem possuir o selo de qualidade Abic, que garante que o produto é 100% puro e tem somente grãos de café. Os cafés tradicionais são os mais consumidos pelos brasileiros. Cafés classificados como superiores possuem boa qualidade, maior valor agregado e sabor acentuado. Os gourmets são caracterizados por alta qualidade, sabor refinado e aroma intenso e envolvente.

 

Demanda por baristas aquecida

Com o aquecimento do mercado de cafés gourmet, a demanda por profissionais baristas também está em alta. Para atuar nessa área, é necessário entender desde o plantio até o preparo das bebidas mais elaboradas com o grão, realizado pelos métodos de beneficiamento e torra. Segundo a barista Rúbia Duarte, da empresa Villa Café, “o mercado está carente de profissionais que atuam no segmento”.

Duarte explica que o trabalho de um barista é diversificado. Além de atuar em cafeterias, esse profissional sabe realizar todo o processo de produção de café, servir e é muito requisitado para eventos. “Nesse caso, o conhecimento em elaborar drinques à base de café, com bebidas alcoólicas ou sem, pode ser um grande diferencial, pois é considerado um nicho de mercado. Outra atuação é em consultoria. O profissional tem a função de orientar o cliente na formulação do cardápio de bebidas, nas harmonizações, compra das máquinas de bebidas ou mesmo sobre a marca de café a ser utilizado”, aponta.

Barista do Artesanilo Café Bistrô, local credenciado ao Curitiba Coffee Week, Léo Araújo conta que é muitas vezes o barista quem ajuda a formar a personalidade da cafeteria: “Aqui eu gosto de conversar com o cliente e ir explicando como faço meu trabalho, o processo para se tirar um café perfeito. Já recebi até clientes que diziam detestar café, e para esses eu indiquei opções para se iniciarem nesta bebida, como cappuccinos e outras versões mais suaves e adocicadas. Aos poucos indico que peçam algo mais forte e que deixem o excesso de açúcar de lado, para sentirem melhor a bebida”. Sobre a participação da casa no Coffee Week, Araújo avalia de forma positiva: “O festival está sendo uma forma de divulgação da casa. Desde de que ele começou, o número de clientes cresceu bastante. Conversando com o pessoal dos outros lugares participantes eu tenho visto que a opinião deles é a mesma. Todos compartilham a mesma filosofia, que é valorizar o café servindo-o com primor”.

 

Serviço

Para conhecer todas as cafeterias credenciadas ao festival em Curitiba ou nas demais cidades participantes, acesse www.coffeeweekbrasil.com.br

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes