qua 05 out 2022
HomeCulturaSegunda de Samba no Festival

Segunda de Samba no Festival

Samba de breque, sincopado, samba canção, maxixe, chorinho e gafieira. Não faltaram opções para quem gosta de um bom ‘forrobodó’. O grupo Orquestra Geral do Samba se apresentou nesta segunda-feira (08) no palco principal do 18° Festival de Inverno da UFPR com repertório variado. “Escolhemos compositores que o grupo gosta e que representam o samba mais antigo e o mais recente”, explica a vocalista do grupo, Cintia Graton. Além das composições de Geraldo Pereira, o grupo apresentou também músicas de Chico Buarque, Ary Barroso, João Nogueira, Paulo César Pinheiro e Paulinho da Viola.

Orquestra Geral do Samba trabalha com a formação instrumental baseada nas Big Bands e nas orquestras de samba de gafieira. Dos dez integrantes fixos, quatro tocam instrumentos de sopro. O grupo surgiu há cerca de um ano e meio com o projeto especifico de resgatar a obra do compositor Geraldo Pereira (1918 – 1955). “É daí­ que vem o nome do projeto. Geral-do Samba”, brinca Cintia. Um dos integrantes do grupo, o pianista Alexy Viegas desenvolve um projeto de pesquisa cientí­fica em que faz levantamento e transcrição das canções compostas pelo músico na primeira metade do século XX. “Geraldo Pereira é um sambista dos anos 50 cultuado por muita gente, vários compositores consideram uma grande referência para o samba”, explica a vocalista.

Samba para além do Festival
Apesar de o ritmo tí­pico da região ser o fandango, é o samba e o carnaval que caí­ram no gosto da população de Antonina. São cinco as escolas de samba da cidade. “Antonina não tem nenhum grupo de fandango e estamos tentando resgatar isso. É mais o carnaval mesmo”, conta o secretário municipal de Turismo e carnavalesco da escola de samba Leões de Ouro, César Brosca.

O carnaval é um dos eventos que atrai mais turistas à cidade e que mobiliza os moradores. “No último carnaval, minha escola tinha 800 componentes”, diz. O carnavalesco explica que além das escolas, a festividade conta também com a participação dos blocos folclóricos e com a realização de concursos de fantasia. “Os blocos fazem adaptação de marchinhas de carnaval e as escolas preparam os sambas-enredo que representam o tema escolhido”.

Além do envolvimento natural da cidade com o ritmo, a vocalista Cintia Graton encontra mais motivos para a apresentação da Orquestra Geral do Samba no Festival. “O samba e as suas variantes são a raiz da música popular brasileira. Não podem faltar em nenhum festival”.

Hendryo André
Professor do curso de Jornalismo da UFPR. Orientador do Jornal Comunicação.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Hendryo André
Professor do curso de Jornalismo da UFPR. Orientador do Jornal Comunicação.