Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
ter 23 jul 2024
HomeCidadeValorização de artistas brasileiros faz crescer o número de colecionadores no país

Valorização de artistas brasileiros faz crescer o número de colecionadores no país

Figura constantemente retratada em filmes e livros sobre o mundo artístico, o colecionador de arte corresponde a um estereótipo na sociedade moderna: homens ricos que mantém obras em suas residências por hobby e status social.

Segundo levantamento da Câmara Americana de Comércio, as recentes mudanças socioeconômicas no Brasil, como a ascensão das classes mais baixas e o aumento do grau de escolaridade médio do brasileiro tendem a aumentar o investimento em cultura. Por conta disso, o público que se arrisca a montar um acervo particular é cada vez mais diversificado e surpreendente. Enquanto se discute a legitimidade da existência de um “mercado da arte”, a paixão e o sentimento movem colecionadores cada vez mais jovens.

Em 2012, os leilões de arte latino-americana começaram a se multiplicar e popularizar nos maiores polos artísticos do mundo. Para se ter ideia, nesse mesmo ano, a tela “O Limão”, da carioca Beatriz Milhazes, foi arrematada, em um leilão em Nova York, por 2,1 milhões de dólares – o equivalente a 4,8 milhões de reais na cotação atual. Milhazes e outros brasileiros também movimentaram R$ 6,8 milhões na Christie’s, tradicional casa de leilões de Londres. A euforia internacional abriu portas para muitos artistas brasileiros dentro de sua própria casa.

O também carioca, Vagner Aniceto, foi um dos muitos artistas a se beneficiar da boa fase. O pintor, que já participou de cerca de 70 exposições, ganhou um vasto fã-clube nos últimos anos. Suas obras estão espalhadas por mais de 300 salões pelo mundo, em locais como Itália e Estados Unidos. É em São Paulo, porém, que há o maior número de acervos com obras de Aniceto. Boa parte da popularidade do artista na maior cidade do Brasil deve-se a seus compradores fixos, que acompanham seu trabalho e adquirem peças há vários anos. “O colecionador é um personagem com influência para o mercado da arte. Toda obra em acervo particular é valorizada, pois foi avaliada pelo comprador e considerada digna de fazer parte da coleção”, explica.

 

Vagner Aniceto pinta diversas coleções, entre elas está a “Colheita”, retratada nos quadros
(Foto: Divulgação artista)

Essa legitimação da obra por meio da avaliação do colecionador tem, na visão de Vagner, embasamento histórico. “Isso acontece porque, em toda a história da humanidade, as artes foram financiadas por mecenas e entidades”, explica. A cultura de pagar por obras de arte e atribuir a essa prática um caráter de colecionismo também é, geralmente, relacionado a classes sociais mais altas por um contexto histórico – os primeiros acervos como conhecemos hoje tem suas origens na aristocracia da Babilônia, com o rei Nabucodonosor II, que costumava acumular antiguidades. Apesar de parecer um hobby voltado aos mais abastados, o boom internacional da arte brasileira tem chamado a atenção de quem não dispõe de valores altos e, com isso, criado um novo nicho de colecionadores.

O verdadeiro valor da arte

O engenheiro André Orzechowski é natural de São Paulo, onde Aniceto reside. Ele conta que conheceu por acaso os primeiros trabalhos do artista, que começou a carreira em 1979. As telas o emocionaram instantaneamente. “Aconteceu um processo de identificação. Eu me vi nos trabalhos dele”, conta. Desde então, passou a investir em obras de Aniceto sempre que o orçamento permite. Hoje, a casa de Orzechowski já conta com 12 quadros assinados pelo pintor carioca. “É muito bacana, acompanhei toda a evolução dele como artista nesses anos todos. Adoro o estilo do Vagner e tenho as obras dele porque gosto do que sinto quando olho para elas”, afirma.

 

André Orzechowski e uma das obras adquiridas da coleção “Metrópole”
(Foto: Divulgação artista)

A ascensão da nova classe média abriu portas quando o assunto é bens de consumo – o que inclui a arte, no contexto da indústria cultural. Com isso, a mania do colecionismo tem atingido públicos novos que fogem aos padrões esperados – entre eles os jovens.

Aos 19 anos, Heryc Addam ainda não se considera um colecionador, mas vai chegar lá. O estudante de Design de Moda conta que a paixão pela arte, que o acompanha desde cedo, é pura influência da família. “Já cheguei a pintar alguns quadros, mas essa coisa do acervo começou quando ganhei algumas telas que pertenciam à minha avó”, diz. Fã de artistas como Frida Kahlo e Camille Claudel, o garoto pretende ampliar a pequena coleção e começar a adquirir obras de renome em breve.

Apesar do aumento de aficionados em colecionar obras de arte no Brasil, Vagner Aniceto ainda considera que há muito para melhorar quanto a valorização das artes plásticas no país. “No fim das contas, o capitalismo é o único sistema que valoriza a arte no seu todo. Ele abraça o profissional sem impor regras”, opina.

Não existe atualmente nenhum controle, registro ou levantamento de quantas obras de arte encontram-se em acervos particulares brasileiros.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo