Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
ter 23 jul 2024
HomeSociedadeGuardas municipais são acusados de abordagens violentas

Guardas municipais são acusados de abordagens violentas

O ano de 2014 foi marcado por mudanças na Defesa Civil de Curitiba. Dentre elas, o anexo do Departamento de Políticas sobre Drogas ao órgão e o redirecionamento das abordagens dos setores da Defesa. Se, antes, o Departamento e a Guarda Municipal – parte integrante da Defesa Civil – agiam de modo mais ofensivo, agora procuram um foco mais humanitário. Porém, para muitos, o sucesso dessa transformação é questionável.

“Para a parede vagabundo!”

Dia 22 de abril, por volta das nove da noite. Quando o estudante do quinto ano de direito, Andre Thomazoni Pessoa Silva, saía de um campus da Universidade Federal do Paraná (UFPR), uma abordagem da Guarda Municipal de Curitiba começava a ser feita na Praça Santos Andrade.

Segundo o universitário, os guardas começaram uma revista em um morador de rua e, na sequência, desceram cacetadas e pontapés na pessoa. Dentre berros e gritos, André ficou incomodado e começou a gravar a postura dos Guardas Municipais.

No vídeo – bastante divulgado nas redes –, é possível verificar a postura ostensiva dos guardas para com o estudante, a justificativa da abordagem – “portar maconha não está liberado” – e as ameaças de prender André por desacato, pois o universitário estaria atrapalhando a abordagem. Um GM ainda teria desferido termos de baixo calão para que André cessasse sua filmagem documental.

De acordo com Claudio Frederico de Carvalho, Diretor Geral da Guarda Municipal de Curitiba, a finalidade da Guarda Municipal é atender à população da cidade e fazer o policiamento cidadão. “Aquela situação que vivíamos nos anos 80, ‘para parede vagabundo!’, não existe mais. Ninguém é vagabundo. A postura da abordagem tem de ser firme, mas com respeito”, explica.

De acordo com o diretor da Guarda Municipal, Carlos Frederico de Carvalho, os integrantes da GM foram instruídos a não agir de maneira repressiva. / Foto: Divulgação

Contudo, não é o que parece ter acontecido com o estudante de psicologia da UFPR Mateus Landoski Lewin. Ele revela que presenciou uma abordagem violenta da GM quando um dono de uma barraca de cachorro-quente brigava com um morador de rua.

“Aí chegou o GM, discutiu com os dois, não quis nem saber o que estava acontecendo. Foi tipo: ‘O que você está fazendo aqui, vagabundo?’ Muito brutal. Deu um tempo, chegou uma Kombi lotada de GMs. O morador da rua estava querendo ir embora”, conta.

“Nós pedimos pra eles não serem tão truculentos, a situação realmente não pedia”, afirma Mateus.  Segundo o relato, um dos GMs teria sacado a arma e apontado para o estudante e seu amigo que o acompanhava.

“Não sei se eles têm permissão para isso ou não. Totalmente truculentos e despreparados. Se por um lado a gente reclama que a polícia militar é militarizada, esses caras aí são potencialmente piores. É exigido deles uma postura militar que não é treinada. Acompanhamos o morador depois por um tempo para ter certeza que eles não iriam seguir ele”, finaliza.

Frederico esclarece para o Jornal Co:::unicação que os Guardas Municipais têm um treinamento que equivale a 1200 horas de formação e mais 80 horas de reciclagem anual “para ele reaprender algumas condutas e evitar o exagero”, nas palavras do diretor.

“Casos onde tenhamos denúncias nas quais houve excesso, ela será apurada e a punição será aplicada. Nossa ideia não é quantidade e sim qualidade”, avalia Frederico.

O número para denúncias é o 153. Caso sofra ou presencie alguma situação de abuso, ligue e denuncie.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo