Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com

1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co

betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Cialis
Cialis Fiyat
deneme bonusu
padişahbet
padişahbet
padişahbet
deneme bonusu 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet وان ایکس بت 1xbet 1xbet untertitelporno porno
qui 18 jul 2024
HomeCidadeJovens investem nos relacionamentos à distância

Jovens investem nos relacionamentos à distância

Apesar de namorarem há um ano e seis meses, Letícia e Rafael só se viram 17 dias durante todo o tempo de relacionameto
Foto: Letícia Sequinel

Com o crescimento do acesso às novas tecnologias, os relacionamentos à distância se tornaram mais frequentes na sociedade. Segundo pesquisa realizada pelo Centro de Estudos das Relações de longa distância nos Estados Unidos em 2005, 2,9% dos casamentos do país são à longa distância e, nos três primeiros anos, um a cada dez casamentos tiveram um período de distância. De acordo com outra pesquisa do Journal of Applied Communication Research de 2010, de 25 a 50% dos relacionamentos a longa distância nos Estados Unidos são entre jovens, principalmente estudantes universitários.

No Brasil, ainda não há pesquisas sobre o assunto, porém, esta tendência se mostrou mundial. A distância pode ser causada devido a fatores sociais e econômicos, como maiores oportunidades de trabalho ou o aperfeiçoamento dos estudos. Mas, algumas vezes, os relacionamentos já surgem online. Através da internet é possível conhecer pessoas de qualquer lugar do mundo, e com as redes sociais, muito utilizadas pelos jovens, o contato com estas pessoas é facilitado.

A psicóloga Regimeri Frasson considera que o relacionamento à distância, como qualquer outro, é possível desde que as pessoas envolvidas tenham predisposição em compreender o parceiro. “Todo relacionamento amadurece com o tempo, pois ambas as partes têm a oportunidade de conhecer um ao outro e descobrir a real possibilidade de sucesso”, afirma. Segundo Regimeri, para lidar com este tipo de relacionamento não há uma idade certa, e o que é necessário é maturidade, principalmente na resolução de problemas. “O desafio é lidar com as diferenças. Nem todas as pessoas têm paciência e maturidade para entender que ninguém é igual”, ressalta a psicóloga.

Na vida real

A estudante universitária R.E., de 21 anos, conheceu seu último namorado, da Suíça, através de um site de chats internacional. “No dia que eu entrei eu conversei com diversas pessoas e ele foi uma das únicas que não pediu que eu mostrasse uma foto nua, seminua”, conta a jovem. O namoro que durou dois anos e dez meses, começou como amizade. Quando se viram apaixonados, o suíço veio visitá-la no Brasil. Na véspera da vinda do namorado, R.E.  estava, além de nervosa e ansiosa, com medo de que não fosse aquilo que havia visto pela internet. Ao conhecê-lo, percebeu que aquele era o mesmo com quem conversava todos os dias. “No namoro à distância é tudo muito intenso. A saudade, a alegria de reencontrar no aeroporto, a paixão e as brigas também” conta.

Com o passar do tempo, o casal percebeu que não teria um futuro, e tudo acabou virando amizade. “É interessante como duas pessoas tão diferentes, de partes diferentes do mundo, conseguem criar uma empatia tão forte”, diz a universitária. Com o processo do término tranquilo, a jovem afirma ter aprendido com o relacionamento, e que as diferenças culturais e pessoas fizeram-na crescer emocionalmente. “Tenho uma visão de mundo mais aberta, inclusive para os relacionamentos afetivos. Eu aprendi que meu relacionamento durou o que tinha de durar”, completa.

Já Letícia Sequinel, 16 anos, namora há um ano e seis meses, e faz planos futuros com Rafael Fernandes, 20 anos. Ela mora em Curitiba, ele em Simonésia, interior de Minas Gerais. Os dois se conheceram pelo Twitter, por um assunto em comum, e começaram a conversar. Depois de três anos se falando pela internet e por telefone, resolveram se conhecer pessoalmente, e ele foi visitá-la. “No início, tivemos muitos problemas em relação à confiança. Apesar de eu acreditar muito nele, havia muita dúvida de ambos os lados”, confessa Letícia. Com 1.200 km de distância, o casal consegue se visitar de seis em seis meses, já que ele trabalha e ela estuda. Quando se encontram, buscam um ao outro no aeroporto e priorizam o tempo a sós.

Letícia diz ter aprendido a ter paciência e acima de tudo, confiança. “Manter um relacionamento a distância é bem difícil, tem que confiar na pessoa extremamente, por não saber quase nada do que ela está fazendo, quem está ao seu redor”, afirma a adolescente.

Cuidados

O anonimato da internet permite, com mais facilidade, disfarces. Segundo Regimeri, não há uma fórmula secreta de prevenção às mentiras em sites de relacionamento ou bate-papos de internet. “A forma mais indicada é o cuidado e a falta de excessos. Ficamos mais à vontade quando não temos alguém nos olhando, nos avaliando. A probabilidade da conversa fluir e ser interessante é maior”, avalia a psicóloga.

Ela afirma, ainda, que os pais também devem ficar atentos quanto às mudanças de comportamentos dos filhos. “É importante verificar o tempo com que os filhos se predispõem a estarem somente em frente ao computador, cuidando para que eles tenham uma vida ativa e saudável, mesmo com um possível relacionamento feliz, via internet”, aconselha.

Marilei Sequinel, mãe de Letícia, ficou preocupada por não conhecer o rapaz e sua família, e acompanhou a filha quando foi a Minas Gerais visitar o namorado. “A primeira vez que ele veio nos visitar foi complicado, porque não sabíamos como ele era e não conhecíamos a família dele, só sabíamos o que a gente via pela internet”. Após conhecer a família do Rafael, Marilei afirma ficar mais tranquila quanto ao namoro da filha, apesar da distância. Com a confiança conquistada, Letícia vai pela primeira vez visitar o namorado sozinha, este mês.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Pular para o conteúdo