Free Porn





manotobet

takbet
betcart




betboro

megapari
mahbet
betforward


1xbet
teen sex
porn
djav
best porn 2025
porn 2026
brunette banged
Ankara Escort
1xbet
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
1xbet-1xir.com
betforward
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
betforward.com.co
deneme bonusu veren bahis siteleri
deneme bonusu
casino slot siteleri/a>
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
Deneme bonusu veren siteler
https://treirb.net
deneme bonusu veren bahis siteleri
https://www.getbetbonus.com
ter 25 jun 2024
HomeCiência & TecnologiaMercado de arte usa NFTs para atrair colecionadores

Mercado de arte usa NFTs para atrair colecionadores

Tokens não-fungíveis usam tecnologia similar a das criptomoedas para distribuir arte online com a garantia de exclusividade

Enquanto o modo de produzir arte permanece perpetuamente subjetivo, a forma de comercializá-la mudou com a ascensão dos tokens não-fungíveis (NFTs). Registrados no mesmo banco de dados usados pelas criptomoedas — os blockchains —, os NFTs funcionam como certificados de autenticação de uma obra e garantem sua exclusividade.

O processo baseia-se no conceito de fungibilidade. Diferente do bitcoin, que pode ser adquirido por um valor equivalente, a arte NFT não tem valor padronizado. Essa não-fungibilidade refere-se a algo que não pode ter seu valor comparado. O chefe do departamento de desenvolvimento artístico da iniciativa Brasil NFT, Luciano Vassan, explica que a tecnologia é voltada para produtos únicos e raros. “É como se você registrasse aquilo num cartório, só que sem a possibilidade de falsificação”, diz. 

A Brasil NFT é uma iniciativa que age em três âmbitos: o didático, que busca educar o público sobre a tecnologia crypto e seu funcionamento; o de consultoria sobre NFTS para empresas e indivíduos; por último, as galerias de arte que priorizam artistas emergentes, independentes e periféricos. 

Galeria de arte indígena

Em setembro deste ano, a primeira galeria de arte indígena NFT foi inaugurada por intermédio da Brasil NFT. Nomeada Artes Originárias, a galeria reúne artistas indígenas brasileiros dos povos Guajajara, Bororo, Fulni-ô, Guarani Mbya e do Coletivo Observatório Cultural das Artesãs (OCA). A idealização surgiu da necessidade de uma renda alternativa para essas comunidades, uma vez que a pandemia da Covid-19 impediu a venda de artesanatos e artes pessoalmente. A partir da amizade e parceria com a artista Zahy Guajajara, os fundadores da Brasil NFT ouviram outros relatos de indígenas, cuja subsistência dependia do artesanato, e decidiram criar a plataforma para facilitar a comercialização: “Essa é uma galeria feita para eles”, afirma Luciano, que alerta, “Nossa função é facilitar esse acesso à tecnologia.”

Plataforma pretende lançar novos artistas para valorizar a cultura e folclore brasileiro. Hoje, o projeto ainda não funciona plenamente devido à falta de investidores para solucionar a dificuldade de entrega de objetos artesanais físicos, comprados como NFT. A imagem mostra as próximas artes disponíveis para compra (Foto: Brasil NFT)

De acordo com Luciano, outro propósito da Brasil NFT é proporcionar visibilidade para a versatilidade da tecnologia: 

“Pela primeira vez, a gente tem uma mídia que pode embarcar qualquer viagem que o artista quiser”

Luciano Vassan, iniciativa Brasil NFT

Ele reforça que, “antes disso, se você queria produzir música, ficava limitado ao áudio, no máximo, a um videoclipe. Mas com o NFT tem gente que vende terreno, tem gente que assina contrato, teve até um escultor que vendeu uma escultura imaginária”. Para Luciano, que também é músico e publicitário, a tecnologia dos NFTs é revolucionária porque extrapola a barreira da convencionalidade, promove a autonomia do artista, assim como estimula sua renda, não mais dependente de uma galeria ou curadoria.

Arte digital

O artista e pesquisador Alexandre Rangel se interessou pela cripto arte exatamente por essa razão. Desde a década de 1990, ele vem trabalhando com arte digital e outras formas de experiências computacionais — instalações, softwares livres, websites interativos. No final de sua graduação em Artes Plásticas, criou o Quase Cinema, um programa de computador para edição que é uma ferramenta para fazer outras obras. Desse modo, tecnologias digitais sempre foram objeto de sua criatividade.

No final de 2020, Alexandre reconheceu a cripto arte como um novo paradigma do mercado artístico. Para ele, que valoriza softwares livres e independentes, os NFTs chamaram a atenção do ponto de vista prático, já que não estão sujeitos às volatilidades da interferência empresarial, e também do ideológico: “Investir em projetos descentralizados é muito poderoso e também garantidor do futuro de um estudo, de uma obra”. Segundo ele, outro pilar da cripto arte é a questão inclusiva e democrática: “Não existe essa questão curatorial, de alguém ditar quem pode ou não fazer parte disso”. 

O ganho financeiro, porém, é o incentivo principal. “Uma vez que você ganha com a arte que produz, a partir de uma tecnologia de acesso relativamente fácil, você tem tempo para se dedicar a ela”, avalia.

No trecho selecionado da entrevista para as repórteres Bruna Eduarda Rudnick e Isabela Stanga, o pesquisador, professor e artista multimídia Alexandre Rangel conta sobre por que se apaixonou pelos NFTs e como essa tecnologia beneficia os artistas digitais.

De acordo com o portal NonFungible.com, que monitora o mercado de arte criptografada, no mês de novembro, o e-commerce de NFTs cresceu exponencialmente, gerando cerca de U$ 4 milhões a mais em comparação aos outros anos.

Como vender ou comprar NFTs

Para vender ou comprar NFTs é preciso criar uma carteira de criptomoedas. Cada criptomoeda —  Bitcoin, Ethereum, Tezos — tem sua própria carteira. Hoje, a blockchain Ethereum é a plataforma onde a arte está mais inserida. É preciso que a carteira escolhida seja compatível com o marketplace em que a arte será leiloada. Mesmo que seja um artista, não um colecionador, Alexandre explica que o usuário deve comprar criptomoedas: “Esse valor cobrado para postar a arte é o valor pago pelo registro da transação no blockchain.” 

Além disso, ele esclarece: “Se a minha arte for revendida, eu ganho uma comissão entre 10% e 25% do valor original, o que é muito legal.” Para ele, o processo beneficia diretamente a carteira do artista porque não há interferência de terceiros na venda.

O dono da galeria de arte Jaqueline Martins, em São Paulo, e especialista em novas mídias, André Parente, concorda: “Se uma mesma obra for vendida numa galeria por R$ 20 mil, R$ 10 seriam direcionados à galeria. Isso não acontece com a venda de NFTs.”

Ele acredita que essa versatilidade e promessa de crescimento financeiro são as razões pelas quais os NFTs estão em alta nos últimos meses. Entretanto, ele não acredita que isso trará mais independência para a produção artística. “Isso em nada altera a natureza do seu trabalho. O NFT é apenas a forma como ele é distribuído”, avalia.

Para André, o artista passa mais tempo ocupado com publicidade, já que os compradores ainda são majoritariamente colecionadores: “O maior desafio é encontrar e enviar a sua arte para quem esteja interessado”.

Na semana passada, o Jornal Comunicação publicou a reportagem especial de Mariana Souza e Luiz Henrique Pacheco, que contextualiza o impacto dos tokens no mundo da arte e a sua regulamentação legislativa no Brasil.

O material completo pode ser acessado aqui.

A nova aposta de empresas ao redor do mundo é expandir a tecnologia dos NFTs para outras esferas de consumo. Alexandre considera isso um desafio, mas alguns setores já estão concretizando a ideia. Por exemplo, a empresa Hybe Labels, representante da banda sul-coreana BTS, divulgou que começará a vender photocards do grupo — fotos especiais dos sete membros  — no formato NFT. Os tokens do BTS incluirão imagens em movimento, vozes de artistas e os fãs poderão trocar seus cartões de fotos digitais em espaços virtuais. Essa expansão abrange a indústria dos jogos e esportes que ocupam cerca de 6% dos marketplaces. Até mesmo a indústria da moda começou a divulgar roupas digitais.

A pegada de Carbono

A maior problemática dos tokens não-fungíveis é a emissão de carbono. Uma vez que são registrados dentro de uma blockchain, cujo consumo de eletricidade é imenso, a contribuição para a emissão de carbono não é negligenciável.

A rede Ethereum, por exemplo, onde a maior parte das transações de arte são realizadas, utiliza um mecanismo chamado Proof-of-Work (PoW) para autenticar as transações e armazenar dados, responsável pelo consumo de cerca de 86.93 TWh (terawatts-hora) por ano. O site Digiconomist compara esse valor ao consumo energético de toda a Suíça. O Ethereum pretende mudar gradualmente seu algoritmo Proof-Of-Work para um algoritmo Proof-of-Stake de consumo eficiente chamado Casper. 

Contudo, há plataformas — como a Tezos e a Polygon — que já utilizam o Proof-of- Stake (PoS), além de outras criadas com a compensação de carbono em mente, como a Rarum. Isso mostra que a sustentabilidade deve ser uma pauta global para os apoiadores de NFTs.

Isadhora Santa Clara
Estudante de Jornalismo da UFPR.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Isadhora Santa Clara
Estudante de Jornalismo da UFPR.
Pular para o conteúdo