ter 26 out 2021
HomeCidadeNova revista promete mudanças no cenário científico brasileiro

Nova revista promete mudanças no cenário científico brasileiro

A Polyteck é uma revista para universitários. Com o intuito de deixá-los por dentro do mundo da ciência e da tecnologia, ela é composta por artigos científicos e é distribuída gratuitamente. A ideia surgiu com o intercâmbio de André Sionek, dono do projeto e atualmente diretor executivo.

Distribuída gratuitamente, a revista aposta no desenvolvimento da cultura científica e no espírito empreendedor (Foto: Divulgação / Polyteck)

O estudante de Física ficou 10 meses na Universidade da Pensilvânia, pelo Programa Ciência Sem Fronteiras, projeto de intercâmbio das Universidades Federais do Brasil. Lá, ele fez várias matérias que, em um primeiro momento, não tiveram nenhuma relação com a Física. Segundo Sionek, esse era um dos objetivos do intercâmbio: “Queria aprender coisas que eu não vejo geralmente aqui na Universidade dentro da Física”.

Ele percebeu que, aqui no Brasil, os alunos universitários não são nada parecidos com os norte americanos. Principalmente na questão da pró-atividade, da dedicação com assuntos da faculdade. Na Universidade da Pensilvânia, ele encontrou algo que o impressionou: “Era um jornal dentro da Universidade, um jornal independente, feito por alunos, eu fiquei encantado”. Segundo o diretor, eles distribuíam oito mil cópias por dia, realidade distante da brasileira. E a partir daí, surgiu a ideia de trazer isso para o Brasil.

Contato com novas informações

O grande objetivo da revista é fornecer informações para os alunos, informações que eles não encontram em sala de aula, dentro da universidade. A ideia é mostrar o que está acontecendo dentro da ciência e tecnologia no mundo. “Quando eles terminam a graduação, existe um gap muito grande em o que eles viram aqui e o que vão praticar”, afirma Sionek. Pensando nisso, o conteúdo da revista é voltado para que os estudantes entrem em contato com esse tipo de informação que fica de fora da faculdade.

Além disso, o estudante de Física afirma que a intenção da revista é informar com uma abordagem de todos os termos da Ciência e Tecnologia – que são a Engenharia, a Biomedicina e as Exatas. O que entra em outro objetivo da Polyteck : o de instigar os alunos a terem uma visão mais ampla, de que o que eles presenciam na faculdade vai muito mais além e aborda outras áreas. Com isso, Sionek afirma: “A gente espera, também, motivar os alunos a serem mais proativos”.

Gratuidade

A revista é distribuída em algumas universidades de Curitiba: UFPR, UTFPR, PUC-PR e Universidade Positivo. Em cada edição são entregues 10 mil exemplares. A grande vantagem da revista é ela ser inteiramente gratuita. Além de possuir uma versão online, exatamente igual à versão impressa.

A Polyteck irá chegar na sua universidade

A curto prazo, a Polyteck tem objetivo de estar em toda a região e em algumas cidades do estado de São Paulo. Já a longo prazo, a ideia é de expandir a empresa, através de palestras, mini cursos e debates ministrados online. Fabio Rahal, diretor comercial, explica: “A revista é só um veículo de comunicação, as palestras entram em uma parte mais motivacional, para mostrar o real objetivo da publicação”. E completa afirmando ser a Polyteck um grupo que tem como objetivo ajudar os universitários a se aproximarem da “fronteira da tecnologia e da ciência”.

André Sionek acredita que de nada adianta ser proativo sem o conhecimento, a base para poder desenvolver. Rahal diz ser por esse motivo que a revista aborda o tema empreendedorismo, para que os alunos tenham capacidade de produzir intelectualmente, como também pôr em prática. E isso, segundo o Diretor Executivo, é um dos diferenciais dos alunos norte americanos se comparados aos brasileiros.

Incentivo à mudanças

Diretora de Redação, bacharela de Física pela UFPR e apaixonada por ciência desde o berço Raisa Requi Jakubiak explica que a revista pretende ser multidisciplinar. Várias áreas podem se relacionar entre si e terem um alto grau de aplicabilidade na indústria: “Tentamos fazer um balanço de temas, como em cada edição tem em média sete artigos, não podemos publicar cinco artigos sobre o mesmo assunto de uma vez.” Temas de ciência e tecnologia em geral, como biotecnologia, nanotecnologia e engenharia de materiais estão sempre presentes.

A seleção é feita pela equipe por meio de pesquisas em publicações de alto impacto, como nas revistas Science e Nature. “Eu e o André decidimos o que é mais interessante e escrevemos, muitas vezes temos a colaboração de profissionais das áreas dos artigos, desde escrever um artigo por completo até consultoria ou revisão técnica”, ação de fundamental importância para Raisa.

Ela explica que a revista pretende atingir os estudantes brasileiros e os incentivar a mudar o país por meio do próprio potencial. “É muito fácil ficar reclamando que o Brasil é isso ou aquilo, mas ser corajoso e tentar mudar alguma coisa é para poucos”, assegura.

Para quem quer acompanhar a revista é possível assinar a versão online gratuitamente pelo link www.polyteck.com.br. E também curtir a página no Facebook www.facebook.com/Polyteck.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Populares

Comentários recentes