sáb 18 maio 2024
HomeCidadeAção incentiva arrecadação de doações para animais em Curitiba

Ação incentiva arrecadação de doações para animais em Curitiba

Mobilização da ONG Tomba Latas Curitiba no Parque Barigui e no Museu Oscar Niemeyer serve de prévia para feira de adoção em maio

Na manhã de sábado (15), no Museu Oscar Niemeyer, e domingo (16), no Parque Barigui, estudantes extensionistas da Universidade Positivo realizaram uma ação de conscientização sobre a adoção de animais e a arrecadação de doações. A mobilização é uma iniciativa do projeto S.O.S Animalesco, em parceria com a organização não governamental (ONG) Tomba Latas Curitiba.

A intervenção no final de semana teve o intuito arrecadar alimentos, cobertores e dinheiro, além de incentivar o trabalho voluntário. Contudo, o objetivo principal foi o de divulgar a feira de adoção que vai ocorrer nos dias 13 de maio, na Universidade Positivo, e dia 27 de maio, no Parque Barigui. Para a campanha de divulgação foram distribuídos panfletos com biscoitos para os animais e estimular a divulgação nas redes sociais do projeto.

Porta de entrada

Formada por 57 estudantes, esta é a quinta turma de estudantes que promove o projeto, que ocorre em parceria com a Tomba Latas Curitiba desde o início da pandemia, em 2020. A S.O.S Animalescos é um projeto de extensão coordenado pelo professor de Direito Rafael Zanlorenzi. A disciplina é oferecida para alunos de todos os cursos, como uma forma de completar as horas de extensão obrigatórias para a formação acadêmica.

O projeto é inspirado no modelo de doação muito comum nos Estados Unidos, chamado digital shelter, é uma facilitação no processo de doação através dos meios eletrônicos. Com isso, o grupo começou as divulgações pelo perfil do instagram do projeto e busca oferecer ajuda aos protetores individuais.

Dessa forma, o projeto de extensão é uma porta de entrada para ajudar e manter ativo o trabalho dos protetores que participam da Tomba Latas, que conta atualmente com 10 protetoras, ao oferecem seus lares e esforços para resgatar e oferecer uma nova oportunidade de um lar acolhedor e saudável para os animais.

Comissão organizadora do evento, com a participação do professor Rafael Zanlorenzi, de preto no fundo. (Foto: Nayara Almeida/Jornal Comunicação)

Na busca de recursos para os animais é que acontecem os eventos, tudo com o objetivo de que a população se conscientize sobre a causa animal, adoção e os maus tratos. A Tomba Latas, ativa desde 2010, é composta por 10 mulheres e não possui sede, por isso, os animais resgatados ficam em hoteizinhos na região metropolitana, e os custos são todos pagos pela ONG. “Essa é a maior dificuldade do projeto para se manter, já que as pessoas que pedem ajuda na maioria das vezes não estão dispostos a pagar a mensalidade”, explica Mariana Raksa, de 25 anos, uma das protetoras da ONG.

Ao longo dos últimos 13 anos em que está ativa, a Tomba Latas já realizou diversos resgates. Um dos casos é o do Malbec, cão adotado pela Maryanne Glinski, depois que ela perdeu dois cachorros em 2021. Via projeto, ela pôde conhecer o Malbec, até então com vários machucados, ao disponibilizar sua casa para lar temporário.

Maryanne Glinski e Malbec, adotado a partir do trabalho da ONG. (Foto: Nayara Almeida/Jornal Comunicação)

Impacto da pandemia

A parceria ocorreu na hora certa, uma vez que com o início da pandemia do covid-19 o número de casos de abandono apenas aumentou. Segundo a ONG Ampara Animal, ocorreu o aumento de 70% no número de abandono de animais durante a pandemia. Mariana Raksa diz que: “O primeiro ano da pandemia coincidiu com o maior número de resgates de cães doentes – com cinomose na grande maioria – que tivemos em muito tempo.” Isso impacta diretamente nos cuidados após os resgates, pois se tornou uma demanda muito alta de animais. 

O Tombinha, como chamam os animais, passa por consulta veterinária, toma remédio para antipulga, vermífugo, faz os exames quando necessários, e em algumas situações passam por tratamentos. Somente depois da castração é que ele está pronto para ser adotado. “Resgatamos mais de 30 filhotes com cinomose e tivemos mais de 100 adoções naquele ano de pandemia”, conta Raksa.

Nayara Almeida
Estudante de Jornalismo da UFPR.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Nayara Almeida
Estudante de Jornalismo da UFPR.
Pular para o conteúdo