sáb 28 jan 2023
HomeCopa 2022Após eliminação, grupo de brasileiros direciona torcida contra argentina

Após eliminação, grupo de brasileiros direciona torcida contra argentina

Semifinalista pela primeira vez, Marrocos se torna alternativa frente a rivais Argentina e França, e a algoz Croácia

A derrota nos pênaltis para a Croácia, na última sexta-feira (9), depois do empate por 1 a 1, custou a eliminação da seleção brasileira da Copa do Mundo. Tomado o gol de empate, na prorrogação, Neymar questionou seus companheiros sobre a necessidade de tentarem subir o placar, pois o que realmente precisavam naquele momento era aumentar a defesa para manter a pontuação. O conselho do camisa 10 não foi escutado e resultou em eliminação, mas, agora, com as rivais França e, principalmente, Argentina nas semifinais, um grupo de brasileiros criou a união Brarrocos, em apoio aos marroquinos.

Páginas no Instagram, como a @badvibesmemes, já fizeram postagens para demonstrarem seus posicionamentos a favor do Marrocos, o primeiro país africano e islâmico a alcançar as semifinais. Reprodução: Instagram.

Origens da rivalidade

Ao contrário do que se pensa, a história de rancor entre os países se inicia muito tempo antes do duelo Pelé versus Maradona, até mesmo anteriormente à consolidação de Brasil e Argentina como países republicanos.

Para o cientista político argentino Rosendo Fraga, “um dos primeiros conflitos diretos entre o Brasil Imperial e as Províncias Unidas do Rio da Prata – nome da Argentina anterior à primeira Constituição – foi o conflito pela posse da Província Cisplatina, a primeira guerra que o Brasil disputou como país independente – que mais tarde se tornaria o Uruguai“. O Brasil Imperial perdeu o controle com o resultado do conflito, e assim o governo de Dom Pedro I ficou ainda mais fraco. Fraga explica à BBC que a tensão chegou ao ponto mais alto na primeira década do século passado, quando as relações diplomáticas entre os dois países foram interrompidas.

O cientista político e escritor argentino Vicente Palermo, autor de A alegria e a paixão – relatos brasileiros e argentinos em perspectiva comparada, afirma para a BBC que, “no geral, a percepção dos brasileiros é que os argentinos são soberbos, politizados e aguerridos. Os argentinos, por sua vez, acham que os brasileiros são sinônimo de mulatas bonitas, natureza e futebol – sim, porque apesar da rivalidade em campo, aqui admiram muito o futebol brasileiro”. Na Copa do Mundo de 1978, sediada pela Argentina, a eliminação do Brasil ainda assim foi saudada como a derrota dos negros.

Já inseridos nesse conflito, surgem então os jogadores Pelé e Maradona. Pelé, que participou das copas de 1958 a 1970, venceu três dos quatro mundiais que disputou, enquanto a Argentina não teve conquistas. Depois, o contrário aconteceu: Diego Maradona apareceu como outro jogador destaque e levou a Argentina ao sucesso em um período em que o futebol brasileiro não teve conquistas, apesar de ter formado excelente time em 1982.

Em 1920, confirmando a afirmação feita pelos brasileiros de que os argentinos cometiam racismo com o povo diverso no Brasil, a seleção brasileira foi a Buenos Aires para um jogo e foi recebida com manchetes de cunho racista na imprensa local, contendo o termo monos, que significa macacos.

Jornal argentino La crítica, de 3 de outubro de 1920, antes de um amistoso entre as duas seleções. Brasileiros se revoltaram e alguns atletas boicotaram a partida, que terminou com derrota por 3 a 1. Foto: Reprodução

Muitos consideram que as provocações são de cunho mais sério do lado dos brasileiros, porque “os argentinos levam na brincadeira”, mas quando se tratam de casos constantes de racismo, a luta brasileira ganha justificativa.

“O racismo contamina as subjetividades de se ver o mundo e a população. Ele se assemelha ao machismo e à homofobia. Mas enquanto esses dois comportamentos são sistematicamente combatidos por pessoas e ONGs na Argentina, o racismo não tem a mesma atenção.”, declara o doutor em Ciências Sociais e investigador do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (Conicet), Daniel Mato, à Télam.

Louize Lazzarim
Estudante de Jornalismo da UFPR.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Louize Lazzarim
Estudante de Jornalismo da UFPR.