dom 02 out 2022
HomeEducaçãoSó faltaram os cavaleiros

Só faltaram os cavaleiros

Na quarta-feira, a Igreja Matriz voltou alguns séculos no passado. O Projeto Endriago, de música medieval, trouxe as melodias e composições dos cavaleiros, donzelas, senhores e servos para o Festival de Antonina, transformando a velha igreja em um pequeno feudo provençal.
O quinteto começou a tocar junto no iní­cio deste ano. Carlos Ramos, flautista e de trompa marina (um estranho instrumento de cordas), afirma que se encantou com a música e a cultura medieval quando estudava história da música. O gosto pela pesquisa histórica é necessário para quem se aventura a interpretar obras de origem tão antiga. “A técnica medieval é difí­cil e para fazer exatamente igual é praticamente impossí­vel”, explica Ramos.
Além de exigir muita pesquisa, muitas vezes é preciso construir seu próprio instrumento. Ramos, por exemplo, montou sua trompa marina, instrumento pitoresco que lembra vagamente um violoncelo, em um laboratório da Universidade Federal do Paraná.
O repertório do Projeto Endriago vem de documentos dos séculos XII, XIII e XIV, como o Livro Vermelho de Montserrat (espécie de “index” de músicas cantadas por peregrinos). Como as letras das músicas estão escritas em dialetos feudais, hoje em desuso, Ramos utiliza a origem dos documentos para deduzir o jeito correto de cantá-las. “Se é de Montserrat, por exemplo, dá para imaginar que puxa um pouco para o francês”, diz ele.
A apresentação lotou a igreja e foi bastante aplaudida. “Deu vontade de dançar, achei ruim ter que ficar sentado na hora do espetáculo”, comentou o ator João Graf. O quinteto também gostou da experiência. “É esse o ambiente da música medieval”, contra Ramos. “Essa igreja tem uma vibração que recebe o som, ela deixa a sonoridade sair”.

Quinteto traz a música celta para a Igreja Matriz de Antonina
Giovana Ruaro
Hendryo André
Professor do curso de Jornalismo da UFPR. Orientador do Jornal Comunicação.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Hendryo André
Professor do curso de Jornalismo da UFPR. Orientador do Jornal Comunicação.